Category Archives: Artigos

(RE)TWITTANDO

OPINIÃO

Primeiro paradigma quebrado.O primeiro pronúnciamento não foi pela Globo, mas por redes sociais. Brasil acima de tudo(inclusive da Globo). Deus acima de todos.

Não adianta xingar nem chorar. Tiveram o que mereceram. O Brasil sinalizou varias vezes que não queria o PT no governo. Insistiram por pura soberba. As pessoas só servem pra vcs quando os apoia. Se não, vcs destilam odio. Vão dormir com esta.

Os petistas perdem uma eleição no voto, de forma legítima e incontestável, e Haddad vem falar que o partido vai continuar “lutando pela democracia”? Perdem e continuam arrogantes.

A grande imprensa sai como uma das maiores derrotadas da eleição. Rasgou o princípio da isenção jornalística, favoreceu explicitamente o candidato do PT, chegou a acreditar em uma virada que se mostrava impossível. Agora estão sorrindo amarelo.

A jararaca se retorce na prisão. Seu veneno lhe intoxica o corpo. Suas crias sangram expelindo o fel da corrupção que destilaram. Lula vai apodrecer enjaulado. Viva a democracia. Viva o Brasil.

Estou muito feliz! Foram anos de luta contra esses canalhas!! Agora será um novo começo. É vamos estar de olho. Participando. Chega de nego cagando regra. Chega de hipocrisia. Chega de esquemas “politicamente corretos”, chega de mentiras e patrulhas e estratagemas e marketeiros!

Haddad, o candidato derrotado, ao final da apuração, voltou a citar em seu discurso dois nomes que não citou durante todo o segundo turno: Lula e Dilma. Agora deve voltar a usar vermelho…

O FUTURO DO RN

JANELA ABERTA 

POR NEY LOPES

TRIBUNA DO NORTE

Permita o leitor usar o espaço concedido pela Tribuna do Norte para fazer ponderações, em torno do futuro do Rio Grande do Norte.

Domingo, o eleitor fará a opção, da qual dependerá a abertura de caminhos, que possam retirar o estado do caos em que se encontra, com o maior déficit público de todo o nordeste (R$ 1.3 bi).

A experiência confirma, que o eleito não poderá governar sozinho, sem ter diálogo com o governo federal e assim alcançar a governabilidade. O que aconteceria, por exemplo, Carlos Eduardo com Haddad presidente? Ou, Fátima com Bolsonaro? Não há dúvida que assistiríamos uma “queda braço”.

Como diz o velho ditado popular, “na briga entre o mar e o rochedo, quem perde é o marisco” e no caso seria o RN.

A propósito, a candidata Fátima Bezerra (PT) desmentiu na FIERN e na Inter TV Cabugi, a hipótese de que o RN se tornaria ingovernável, caso ela ganhasse a eleição e o presidente fosse Bolsonaro.

Citou os governadores do PT no nordeste que foram reeleitos no primeiro turno, sendo oposição a Temer. Assegurou que chegaria a Brasília com a força política de dois Senadores e dois deputados federais do PT eleitos. Todavia, a realidade é totalmente diferente, do que afirmou Fátima.

Senão vejamos.

Os governadores reeleitos do PT no nordeste não sofreram restrições políticas do governo federal. A saída de Dilma ocorreu na metade dos mandatos e todos eles foram reeleitos, com a “ajuda de Temer”, com quem preservaram alianças políticas, sem o que teriam fracassado na administração.

Os estados não sobrevivem apenas com as transferências constitucionais obrigatórias. O PT aliou-se aos correligionários de Temer na Paraíba (o deputado Aguinaldo Ribeiro, líder do governo Temer e até ao líder do DEM, deputado Efraim Filho); Alagoas (governador Renan Filho do MDB); Piauí (governador petista Wellingon Dias, além do MDB foi apoiado por quatro legendas ligadas a Temer – PP, PTB, PR e PSD. Na Bahia, o petista Rui Costa teve o apoio de seis partidos ligados a Temer.

Em Sergipe, PT e MDB aliados. No Ceará foi emblemático: o PT “rifou” a candidatura de José Pimentel (PT) para apoiar Eunício Oliveira do MDB. Em Pernambuco, a mesma coisa com o “sacrifício” de Marília Arraes (PT) para firmar aliança com o MDB e outros aliados de Temer.

O quadro político atual é totalmente diferente. A hipótese de Bolsonaro presidente e Fátima governadora significaria clima de confronto permanente entre o governo estadual e o federal. A candidata Fátima Bezerra não esconde ataques pessoais ao candidato Bolsonaro e sempre se coloca como defensora radical do ex-presidente Lula.

Em tal situação, o RN estaria ingovernável e condenado a viver à míngua. Fátima jamais aceitaria um governo anti-PT e transformaria o Palácio Potengi em palanque de oposição permanente ao Planalto, com o apoio solidário da amiga Gleisi Hoffman e correligionários petistas.

Todos os senadores e deputados federais citados por Fátima como “trunfos” seriam adversários ortodoxos do governo federal e aprofundariam o “fosso” de dissidência política.

Na tentativa de imobilizar politicamente o adversário, Fátima e o PT desqualificam o apoio dado por Carlos Eduardo a Jair Bolsonaro. Deixam de considerar, entretanto, que o segundo turno eleitoral exige espírito público do candidato a governador, pelas responsabilidades assumidas com a população de um Estado, onde até os salários do funcionalismo estão atrasados há meses.

É o caso de perguntar: como Carlos Eduardo poderia subir no palanque do PT, tumultuado e cheio de discriminações?

O PT não absorve contrários e somente abre exceção, quando prevalece o “conchavo por baixo do pano”, cujo exemplo deplorável ocorreu na última sexta feira em Natal, com as adesões à Fátima, de conhecidos personagens políticos estaduais, envolvidos em “seis operações policiais” e ações criminais, em tramitação na justiça.

Independente de quem goste ou não de Bolsonaro, a verdade é que o candidato Carlos Eduardo ao apoiá-lo abriu uma “janela” de diálogo com o governo federal, por ter consciência de que isolado não faria milagre.

Ele fez a parte que lhe competia, como aconselha o sábio Gurdjieff: “Hoje é o que é porque ontem foi o que foi. E se hoje é como ontem, o amanhã será como hoje. Se quiserem que o amanhã seja diferente, deverão tornar o dia de hoje diferente. Faça o que puder, não se queixe dos outros”.

Será um risco gravíssimo para o Rio Grande do Norte “fechar” a “janela” aberta por Carlos Eduardo, ao apoiar Jair Bolsonaro.

O RN não merece isso.

A sorte está lançada!

PALAVRA DE EMPRESÁRIO

O PLANO DE HADDAD PARA CONTINUAR ESCRAVIZANDO O NORDESTINO

POR SÉRGIO FREIRE

Resultado de imagem para Sérgio Freire presidente do SINDUSCON

Assisti a pouco no bom dia Brasil as movimentações dos candidatos no FDS…

Você assiste as propostas do candidato do PT, Fernando Haddad e a estratégia é a mesma de sempre.

Continua com a máxima de escravizar o nordestino, anunciando redução no valor do GLP e aumento do bolsa família.

Isto tudo ao invés de criar políticas para desenvolver o país, aproveitando as riquezas e criando oportunidades aos que precisam, gerando assim, condições do trabalhador comprar o seu alimento, o seu gás e preparando seus filhos para o futuro, da melhor forma que dignifica o homem: O trabalho!

*Sérgio Freire é empresário e presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Mossoró 

 

BOM DIA, PRESIDENTE

BOLSONARO NO TWITTER

Estamos iniciando a última semana a caminho de, se Deus quiser, nossa nova Independência! Vamos tirar o Brasil do vermelho e devolvê-lo aos brasileiros!

GIVANILDO SILVA: O QUE FÁTIMA PODERIA FAZER SEM APOIO DO GOVERNO FEDERAL?

ESPAÇO DO GIVVA EM DESTAQUE

POR GIVANILDO SILVA

Givanildo Silva é radialista-jornalista-advogado

O QUE FÁTIMA BEZERRA FARIA SEM APOIO DO GOVERNO FEDERAL

Com as reiteradas afirmações do mais provável próximo presidente da República, deputado federal (PSL) Jair Bolsonaro, de que não quer conversa, de jeito algum, com o Partido dos Trabalhadores, e sabendo-se como, na prática, funcionam as relações entre os poderes; o Rio Grande do Norte corre sério risco de passar por profundo processo de isolamento, institucionalmente, inclusive, em caso de vitória da professora Fátima Bezerra ao governo do estado.

Ao menos, é o que indica a boa lógica.

RN

O Rio Grande do Norte, infelizmente, é um estado muito pobre e, logo, bastante dependente do governo federal, de Brasília, finalmente.

A economia potiguar não chega a meio por cento do produto interno bruto do país.

Politicamente, com oito deputados federais apenas de um total de 513, fica aquém de um grão de areia, sem, sequer, o poder de reação de uma lesma.

Eleitoralmente, passa quase não notado pelos apanhados costumeiros, pois que representa menos de dois por cento dos mandantes brasileiros.

TONTO

A conversa do professor Fernando Haddad, no Maranhão, de fechamento do Supremo Tribunal Federal, é própria de quem está tonto, encontra-se variando.

Isso, nem na época de Emílio Garratazu Médici, o grande sem-vergonha.

DEPRAVANDO-SE

A Folha está depravando-se. Logo ela, a mais vestal das puritanas?

Também não precisava chegar a tanto, pois somente dificulta o refluxo que terá de fazer, no janeiro entrante, ou um pouco antes.

LOMBO

A batida dura do PT no lombo do candidato do PSL, tudo faz crer, somente encontra eco junto a eleitores do professor Fernando Haddad, visto que, até agora, o capitão da reserva do Exército não para de crescer.

Pelo jeito como a campanha evolui, os adeptos do deputado Jair Bolsonaro quando compraram a ideia, quando o escolheram, o fizeram, principalmente, por conta do seu “rico” relicário.

Nisso, nessa condição, um osso duro de roer.

 

A CAMPANHA DE FÁTIMA BEZERRA É FAKE NEWS

CARLOS EDUARDO E ALIADOS SÓ PRECISAM DESMENTIR A CANDIDATA 

Depois do retumbante fracasso em que se transformou a tentativa da candidata ao Governo, Fátima Bezerra (PT), de realizar uma carreata em Mossoró, aumentaM os questionamentos sobre a origem dos votos da mesma, na cidade.

A resposta é simples: os votos de Fátima Bezerra em Mossoró, foram conquistados de uma única forma, fascista, mentirosa, enganosa.

Sim, Fátima Bezerra e sua trupe baseiam seu trabalho em afirmações como “Lula é candidato a presidente e, Fátima é sua candidata”, e “Jair Bolsonaro e Carlos Eduardo vão acabar com o Bolso Família”.

Esse discurso é tão fajuto que, tanto Jair Bolsonaro anunciou que, a partir de 2018, concederá o 13% Salário do Bolso Família, enquanto Carlos Eduardo assegurou que trabalhará no sentido de assegurar esse benefício.

Então, a campanha de Fátima Bezerra é uma Fake News que vinha dando certo, até Carlos Eduardo reagir, e empatar a disputa. 

Para derrotar Fátima Bezerra, basta retirar sua máscara, desmentir seu discurso e repor a verdade dos fatos. 

FÁTIMA BEZERRA DESMORALIZA ASSESSORES EM MOSSORÓ QUE GRITAVAM CONTRA “ZOLIGARQUIA”

O VELHO APACHE ANTENADO AVISOU AOS MENINÕES $ MENINONAS 

No início da campanha, quando os meniniões & meninonas, pagavam de porta-voze de Fátima Bezerra e do PT, na mossoroen (cidade), ficaram de boca mole – e torta – de tanto relinchar contra as “zoligarquia”, o Velho Apache Antenado alertou.

Essa turma quando não está recebendo uma “milharina” – como diria meu patrão Manoel Ribeiro -, das “zoligarquia”, fica nervosa.

O Velho Apache Antenado também alertou que esse discurso não se mantém em pé e, vale tanto quanto uma nota de R$ 3 reais.

Então, a patroa dos meninões & meninonas a professora que não sabe pronunciar o termo golpe – para ela é górpi -, Fátima Bezerra, hoje, está abraçada com parte das “zoligarquia” do RN.

O Velho Apache Antenado vem que avisou – eheheh…

(RE)TWITTANDO

NERVOSIA

O ambiente deveria estar bem mais calmo, pois até a véspera da eleição todas as “pesquisas” garantiam a mesma coisa: Bolsonaro perderia para qualquer outro candidato no segundo turno. Mas está dando o contrário. Aí vira nervosia pura.

A Folha localizou duas fake news que explicam o fiasco do PT: 1) espalharam pela internet que Lula está preso por ladroagem; 2) três grupos do WhatsApp inventaram que Haddad recebe ordens de um presidiário

Maria do Rosário, deputada federal pelo PT gaúcho, garantindo aos pais e mães do Brasil que quem votar no Professor Haddad terá filhos tão cultos quanto Lula e tão articulados quanto Dilma.

Rogério Marinho: “Votar em Fátima Bezerra é afundar mais o RN”

PT entra com pesada ação judicial no TSE contra o Paraná Clube porque o time de Curitiba não sai dos 17…pontos!

ESTADÃO: “O PT DECIDIU PARTIR PARA O PLANO B”

EDITORIAL APONTA AÇÃO CRIMINOSA DO PT ORIENTADA POR LULA DO PRESÍDIO 

POR O ESTADÃO

EDITORIAL

Consciente de que será muito difícil reverter a vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) na disputa pela Presidência da República, o PT decidiu partir para seu ‘plano B’: fazer campanha para deslegitimar a eventual vitória do oponente, qualificando-a como fraudulenta. É uma especialidade lulopetista.

A ofensiva da tigrada está assentada na acusação segundo a qual a candidatura de Bolsonaro está sendo impulsionada nas redes sociais por organizações que atuam no “subterrâneo da internet”, segundo denúncia feita anteontem na tribuna do Senado pela presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, que lançou o seu J’accuse de fancaria.

‘Eu acuso o senhor (Bolsonaro) de patrocinar fraude nas eleições brasileiras. O senhor é responsável por fraudar esse processo eleitoral manipulando e produzindo mentiras veiculadas no submundo da internet através de esquemas de WhatsApp pagos de fora deste país’, afirmou Gleisi, que acrescentou: ‘O senhor está recebendo recursos ilegais, patrocínio estrangeiro ilegal, e terá que responder por isso. (…) Quer ser presidente do Brasil através desse tipo de prática, senhor deputado Jair Bolsonaro?’

Como tudo o que vem do PT, nada disso é casual. A narrativa da “fraude eleitoral” se junta ao esforço petista para que o partido se apresente ao eleitorado – e, mais do que isso, à História – como o único que defendeu a democracia e resistiu à escalada autoritária supostamente representada pela possível eleição de Bolsonaro.

Esse ‘plano B’ foi lançado a partir do momento em que ficou claro que a patranha lulopetista da tal ‘frente democrática’ contra Bolsonaro não enganou ninguém. Afinal, como é que uma frente política pode ser democrática tendo à testa o PT, partido que pretendia eternizar-se no poder por meio da corrupção e da demagogia? Como é que os petistas imaginavam ser possível atrair apoio de outros partidos uma vez que o PT jamais aceitou alianças nas quais Lula da Silva não ditasse os termos, submetendo os parceiros às pretensões hegemônicas do demiurgo que hoje cumpre pena em Curitiba por corrupção?

Assim, a própria ideia de formação de uma “frente democrática” é, em si, uma farsa lulopetista, destinada a dar ao partido a imagem de vanguarda da luta pela liberdade contra a “ditadura” – nada mais, nada menos – de Jair Bolsonaro. Tudo isso para tentar fazer os eleitores esquecerem que o PT foi o principal responsável pela brutal crise política, econômica e moral que o País ora atravessa – e da qual, nunca é demais dizer, a candidatura Bolsonaro é um dos frutos. Como os eleitores não esqueceram, conforme atestam as pesquisas de intenção de voto que expressam o profundo antipetismo por trás do apoio a Bolsonaro, o PT deflagrou as denúncias de fraude contra o adversário.

O preposto de Lula da Silva na campanha, o candidato Fernando Haddad, chegou até mesmo a mencionar a hipótese de ‘impugnação’ da chapa de Bolsonaro por, segundo ele, promover ‘essa campanha de difamação tentando fraudar a eleição’.

Mais uma vez, o PT pretende manter o País refém de suas manobras ao lançar dúvidas sobre o processo eleitoral, assim como já havia feito quando testou os limites legais e a paciência do eleitorado ao sustentar a candidatura de Lula da Silva. É bom lembrar que, até bem pouco tempo atrás, o partido denunciava, inclusive no exterior, que ‘eleição sem Lula é fraude’.

Tudo isso reafirma, como se ainda fosse necessário, a natureza profundamente autoritária de um partido que não admite oposição, pois se julga dono da verdade e exclusivo intérprete das demandas populares. O clima eleitoral já não é dos melhores, e o PT ainda quer aprofundar essa atmosfera de rancor e medo ao lançar dúvidas sobre a lisura do pleito e da possível vitória de seu oponente.

Nenhuma surpresa: afinal, o PT sempre se fortaleceu na discórdia, sem jamais reconhecer a legitimidade dos oponentes – prepotência que se manifesta agora na presunção de que milhões de eleitores incautos só votaram no adversário do PT porque, ora vejam, foram manipulados fraudulentamente pelo ‘subterrâneo da internet’.

(RE)TWITANDO

“REFÚGIO DOS CANALHAS” 

Parece que o tapetão eleitoral se tornou o último refúgio dos canalhas.