Category Archives: Artigos

ESPAÇO DO GIVVA

OPINIÃO

AJUDINHA 

A doutora Rosalba Ciarlini já pode comprar o costume para a quinta posse, no comando da Prefeitura de Mossoró.

Levando-se em conta o comportamento inconsequente da oposição e que, pelo visto, tende a permanecer carente de lógica e de reflexão, tamanhos são os absurdos que comete, sucessivamente.

DESESPERO

Desespero é sofrimento moral extremo. Misto de aflição, angústia, descontrole e tormento. Quase sempre, ligado à sensação de perda.

ESPAÇO DO GIVVA

OPINIÃO

POR GIVANILDO SILVA

REFLEXÃO 

Qual de vós, por mais que se preocupe, pode acescentar algum tempo à jornada da sua vida?

MATEUS 6:27

RN 2222

O nome é ROGÉRIO MARINHO.

No Rio Grande do Norte, 2022 já começa a correr paralelamente, sob os auspícios do capitão Bolsonaro.

REALIDADE

Compreendam-se os incautos, pois assim sendo, não há necessidade de perdoá-los.

No Rio Grande do Norte, o que existe, de bom e de ruim, foi trazido pelas oligarquias.

Aliás, quem não faz parte delas, nesse estado? Quem não é Bezerra, Mota, Faria, Maia, Marinho, Rosado ou Alves?

 

ESPAÇO DO GIVVA

OPINIÃO

POR GIVANILDO SILVA

FANTASIA

Por que o coração é constantemente romanceado, quando, na verdade, o comando e/ou o descontrole dos sentimentos são unicamente do cérebro?

“DE CORAÇÃO, eu só queria que você fosse feliz
Que outro consiga ter fazer o que eu não fiz
Que você tenha tudo aquilo que sonhou
Mas vá embora antes que que a dor machuque mais meu…”

QUEM NUNCA?

Compreendam-se os incautos, pois assim sendo, não há necessidade de perdoá-los.

No Rio Grande do Norte, o que existe, de bom e de ruim, foi trazido pelas oligarquias.

Aliás, quem não faz parte delas, nesse estado? Quem não é Bezerra, Mota, Faria, Maia, Marinho, Rosado ou Alves?

NÃO AMARGURE-SE

Não amargure-se, não seja severo consigo, de si para si mesmo, por achar que deveria ter feito mais.

Porque o possível, em cada ente, introduz grau superlativo. E nada mais.

 

Na fritura de Moro, Bolsonaro se une a amigo dos filhos e secretário do PT

Presidente trabalha na tentativa de enfraquecer o ministro da Justiça

POR JOSIAS DE SOUZA

Jair Bolsonaro esforçou-se para terceirizar a secretários de Segurança dos Estados a articulação que devolveu Sergio Moro à frigideira. Fracassou. As digitais do Planalto estão impressas na manobra que ressuscitou a ideia de desmembrar a pasta da Justiça, retirando de Moro a área da Segurança Pública. Atento à movimentação, o ex-juiz da Lava Jato nunca esteve tão próximo da porta de saída do governo.

O epicentro da ação anti-Moro foi um gabinete do Planalto. Com a anuência do chefe, o ministro palaciano Jorge Oliveira (Secretário-Geral da Presidência) negociou o encontro dos secretários estaduais com Bolsonaro, sem a presença de Moro. Providenciou para que o teatro fosse ensaiado previamente numa conversa do presidente com o secretário de Segurança do Distrito Federal, Anderson Gustavo Torres.

Delegado federal de carreira, Anderson Torres é amigo de Flávio e Eduardo Bolsonaro, os filhos Zero Um e Zero Três do presidente da República. Utilizou como barriga de aluguel da proposta de cisão da pasta de Moro o Consesp, Colégio Nacional de Secretários de Segurança Pública. Sob o patrocínio do governador de Brasília, Ibaneis Rocha (MDB), o grupo reuniu-se na Capital, na quarta-feira.

O desejo de Bolsonaro de desgastar Moro é tão intenso que ele deu de ombros para o fato de que o Consesp é presidido por Maurício Teles Barbosa, um personagem vinculado ao petismo. Trata-se de outro delegado federal. Comanda a Secretaria de Segurança do governo petista da Bahia.

Nomeado pelo ex-governador Jaques Wagner, amigo de Lula, Maurício Barbosa foi mantido no posto pelo atual governador baiano, o também petista Rui Costa. Na gestão de Dilma Rousseff, esteve na bica de ser nomeado secretário Nacional de Segurança da pasta da Justiça, comandada à época por José Eduardo Cardozo.

Até bem pouco Bolsonaro tratava aliados de Lula na base do pontapé. Em julho do ano passado, foi flagrado despejando nos ouvidos do ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) um cochicho que escancarou sua visão sobre o pedaço do mapa do Nordeste que é governado por petistas e aliados do PT.

“Desses governadores de Paraíba, o pior é o do Maranhão”, balbuciou Bolsonaro, num lapso captado pelas câmeras da empresa oficial de comunicação, durante café da manhã oferecido a correspondentes estrangeiros. Referia-se ao governador maranhense Flávio Dino (PCdoB).

Comum no Rio de Janeiro, onde todo nordestino é um “paraíba”, a metonímia pingou dos lábios de Bolsonaro acompanhada de um complemento: “Tem que ter nada pra esse cara”. Foi contra esse pano de fundo que o capitão deu cartaz ao secretário petista. Não bastasse o vínculo com os arquirrivais, Maurício Barbosa defende proposta que provoca arrepios no inquilino do Planalto: a legalização da maconha.

Na fase de ensaio, Anderson Torres, o amigo do Zero Um e do Zero Três, combinou com o ministro Jorge Oliveira e com o próprio Bolsonaro, que os secretários de Defesa formalizariam um pedido de recriação da pasta da Segurança Pública, nos moldes em que funcionava sob Michel Temer.

Dos 27 secretários estaduais de segurança, 20 estavam em Brasília na quarta-feira. Muitos estão irritados com o fato de Sergio Moro se autoatribuir méritos pela queda de cerca de 22% no número de homicídios em todo país. Avaliam que o feito é dos Estados, não de Brasília.

A despeito do mal-estar, a cisão da pasta de Moro não estava entre as prioridades da reunião do Consesp. Os secretários reivindicavam verbas federais, bloqueio de celulares nos presídios e isenção de IPI na aquisição de equipamentos para as polícias. O que não impediu que o documento urdido no Planalto fosse providenciado.

Redigido em papel timbrado do Colégio Nacional de Secretários de Segurança Pública, o texto ocupa duas folhas. Trata apenas da recriação da pasta da Segurança Pública. Nem sinal das outras reivindicações. Traz a assinatura do presidente da entidade, Maurício Barbosa, o secretário da Bahia. Estampa também as rubricas de outros 12 secretários. Ou seja: de duas dezenas de presentes, apenas 13 firmaram o documento.

Datado de quarta-feira (22/01), o texto foi formalmente protocolado no Planalto. Em condições normais, deveria ter sido entregue na Casa Civil. Mas quem assina o protocolo de recebimento é o ministro Jorge Oliveira. Curiosamente, ele imprimiu sobre sua assinatura um carimbo que usava na função que ocupava antes de ser nomeado ministro: subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil.

Quem lê o documento fica com a impressão de que Sergio Moro trata a segurança com descaso: “O colégio manifesta o entendimento de que a criação de uma pasta dedicada exclusivamente à Segurança Pública revela-se medida de grande acerto, pois dará ao tema a importância que merece, colocando-o ao lado de outros temas igualmente importantes, como a saúde e educação.”

O texto enaltece realizações da gestão de Michel Temer, quando Justiça e segurança eram pastas separadas: “Experiências recentes mostraram que quando a segurança pública recebeu a atenção devida nas mais elevadas instâncias políticas, resultados estruturantes foram alcançados, a exemplo da criação de uma política e um plano nacional de segurança pública, ou mesmo com a criação de Sistema Único de Segurança Pública, com suas formas de financiamento”.

Nesta quinta-feira (23/01), antes de embarcar para uma viagem à Índia. Bolsonaro repetiu o que dissera na reunião da véspera, transmitida pelas redes sociais: cogita a sério recriar a pasta da Segurança. Fez dois acréscimos: 1) Confirmando-se a mudança, Moro ficará com o Ministério da Justiça, sem a Polícia Federal. 2) Sabe que o ministro será “contra” o desmembramento.

 

BOLSONARO CONTINUA DESASTROSO

MAS SEM FORÇA PARA EXONERAR SÉRGIO MORO

Em nosso retorno, constamos que o Brasil continua o mesmo, com seu presidente, Jair Bolsoanro, diariamente, revelando-se um desastre ambulante.

Novamente, tentou atingir o ministro, Sérgio Moro, e pasme, atendendo uma sugestão do secretário de segurança da Bahia, de um governo do PT, para esvaziar o Ministério da Justiça.

Por isso, torcemos que Sérgio Moro entregue o ministério e comece a caminhar pelo Brasil, para ser eleito presidente, em 2020.

Do contrário o Brasil vai continuar sendo governado por um presidente destrambelhado, desequilibrado, tresloucado.

#MORO2020

LULA QUER CRIAR O “PT EVANGÉLICO”

DESESPERO É GRANDE DO EX-PRESIDIÁRIO

O ex-presidiário, Lula (PT), está no desespero.

Agora, está querendo que seu partido, envolvido no maior escândalo de desvio de dinheiro público no Brasil, comece a ir para as igrejas evangélicas.

O ex-presidiário quer que seu partido comece a atuar com e, como os pastores evangélicos.

O pior é que ainda existe gente, se passando por líder evangélico, que cairá no conto do vigário – leia-se vigarista.

 

ESPAÇO DO GIVVA

OPINIÃO

POR GIVANILDO SILVA

Givanildo Silva é jornalista-radialista-advogado

DINHEIRAMA

O Detran junta dinheiro com as quatro patas e, na hora da prestação do serviço, faz o povo de pato.

E o governo do Rio Grande do Norte, apesar do desacato, ainda, designa-se cidadão, quando, na verdade, deveria se chamar ANIMAL.

CADÁVER 

Pelo visto, Celso Daniel, prefeito da cidade paulista de Santo André morto em 2002, continua “insepulto”.

Fantasma que não deixa o Partido dos Trabalhares ter um sono tranquilo e reparador há 18 anos. Ao contrário, em pesadelo constante, até consegue disfarçar a agonia, mas o arrepio da pele denuncia calafrio.

AVESTRUZ

Supremo Tribunal Federal e Congresso Nacional se continuarem alheios, interessados apenas em trica, daqui a pouco, virarão um avestruz, se é que já não estão montados na ema.

POSTURA

Ao contrário do que afirmam os seus opositores colocados tanto na política como na imprensa, o presidente Jair Bolsonaro não é um sujeito destemperado.

Apesar de ter a língua espontânea, fala, invariavelmente, dentro de um contexto. Se vem pau, ele devolve-o com pancada.

Já quando entrevistado, na Band, pelo Datena, de maneira civilizada, o capitão é mais suave do que o saudoso João Gilberto, cantando “desafinado” ou “chega de saudade”.

Fonte: Face do Givva

 

 

“É NISSO QUE DÁ VIRAR TOFFOLI FUTEBOL CLUBE”

OPINIÃO

POR FELIPE MOURA BRASIL

Com auxílio de seus filhos, blogueiros de crachá, militantes de gabinete, jornalistas de emissoras favorecidas pela Secom e influenciadores dispostos a ignorar todas as imoralidades e conivências dessa turma em nome de qualquer melhora econômica, como faziam os petistas quando o alto preço das commodities turbinava a economia, Jair Bolsonaro tenta “preparar a opinião pública” – expressão que ele próprio usou ao indicar que sancionaria também o fundão eleitoral de 2 bilhões de reais – antes e depois de cada escolha comprometedora que faz.

O problema é que as narrativas preparadas ficam cada vez mais distantes da realidade, como já notou um monte de seus eleitores no Twitter, que agora emplacam hashtags como #BolsonaroTraidor e #Moro2022.

É nisso que dá virar ‘Toffoli Futebol Clube’.”

Leia a íntegra da coluna na revista Crusoè.

 

Natália Bonavides teve o pior desempenho entre os parlamentares do Rio Grande do Norte

Novidade nenhuma

POR CÉSAR SANTOS

De Fato 

Natália Bonavides (PT) chegou à Câmara dos Deputados, em fevereiro de 2019, cheia de expectativa. Havia sido eleita com a segunda maior votação no Rio Grande do Norte, 112.998 votos (7.02%). Jovem, discurso afinado com as lutas sociais e destacada atuação na Câmara de Vereadores de Natal, a debutante em Brasília seria “o nome” da bancada potiguar. Todos apostavam suas fichas na parlamentar petista.

Decepcionou. O primeiro ano de Bonavides foi um fiasco na Câmara dos Deputados. Pouco ou quase nada produziu, segundo órgãos que acompanham o desempenho dos parlamentares no Congresso Nacional. O “Ranking dos Políticos” colocou a petista na última posição entre os deputados e senadores potiguares e na 580ª posição entre todos os parlamentares do país. Ela teve desempenho negativo menos 309 pontos.

Conforme os critérios estabelecidos pelo “Ranking dos Políticos”, o pior desempenho de Natália Bonavides foi em “qualidade legislativa”, que leva em conta as votações das leis mais relevantes do Congresso. A deputada petista ficou com 345 pontos negativos nesse item. Ou seja, na referência mais importante da atuação de um parlamentar, o petista praticamente não cumprir o dever do mandato.

A melhor pontuação de Bonavides foi no item “presença nas sessões”, com 13 pontos positivos. Já em “privilégios”, item que compara o valor gasto pelo político, no período total do mandato, com média de gastos dos demais parlamentares no mesmo período, o desempenho da petista foi um fiasco, ficando com 2 pontos negativos.

A colocação de Natália só não foi ainda pior porque ela somou mais 25 pontos por ter formação profissional, ter permanecido filiada ao mesmo partido e por abrir mão de aposentadoria especial.

(RE)TWITTANDO

OPINIÃO

jrguzzo
Havia 1 Brasil antes de Moro. Há 1 outro depois dele. Exagero? Pergunte à Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Correia ou OAS se mudou ou ñ alguma coisa importante em suas vidas. A mesma pergunta pode ser feita às dezenas de políticos processados e presos