Category Archives: Artigos

(RE)TWITTANDO

OPINIÃO

Boa tarde. A extinção do Ministério do Trabalho, com a passagem de suas funções para outras pastas, está sendo bem recebida por setores da produção. E combatida pelas Centrais Sindicais que dele tomaram conta.

Rombo de 4 bilhões por conta desse aumento de ministros do STF é um murro na fortaleza ética do país! Não deveriam aprovar isso agora!

O Estado brasileiro é refém das corporações. Esse aumento do teto salarial no serviço público consequência do reajuste na remuneração de Ministro do STF pelo Senado é a prova de que os que mandam no Estado pouco se preocupam com o restante da população brasileira. Uma vergonha

A extinção do Ministério do Trabalho causará uma onda de desemprego entre os parasitas sindicais do Carlos Lupi, PDT, Xingo Nomes e todas aquelas ONGs abençoadas por Lula e Dilma p/roubar honestamente por anos a fio através de convênios sociais p/capacitação de fantasmas. Absurdo

PREFEITURA EMITE NOTA SOBRE ATAQUES A TEATRO E MUSEU

OUTROS EQUIPAMENTOS TAMBÉM TERIAM SIDO DEPREDADOS

A Prefeitura Municipal de Mossoró aciona a polícia, através da Guarda Municipal, para apurar os atos de vandalismo que provocaram a depredação do Teatro Dix-huit Rosado e do Museu da Resistência.

Confira nota da municipalidade sobre o vandalismo:

NOTA

A Prefeitura de Mossoró, através da Secretaria de Segurança, vai apurar as circunstâncias da ocorrência registrada nesta terça (06) que destruiu a porta de entrada principal do Teatro Municipal Dix Huit Rosado.

A Guarda Civil já está verificando as imagens das câmeras de videomonitoramento instaladas em frente ao Teatro, que devem facilitar a identificação dos autores. Segundo informações dos agentes, a ação ocorreu nas primeiras horas da manhã de hoje.

A Prefeitura lamenta que atos de vandalismo tenham danificado a estrutura de um equipamento tão importante para a cultura local. Há informações de outros registros em equipamentos públicos da cidade como agências bancárias e lojas. A Secretaria de Cultura já está providenciando o boletim de ocorrência.

O NÍVEL DO ENEM

ISTO É EDUCAÇÃO?

Sem legenda, segue uma questão do ENEM 2018:

A SIMBOLOGIA DE MORO EM CARGO DE MINISTRO!

OPINIÃO

POR HERVAL SAMPAIO E PEDRO RODRIGUES

Em que pesem as críticas que naturalmente advirão do presente texto e compreendendo esse indiscutível direito de se pensar de forma distinta, chama atenção o fato de que muitos juízes brasileiros não conseguem dimensionar o espaço alcançado pelo colega de 1º grau, Juiz Sérgio Moro. Esses críticos, fixados que são em aspectos ideológicos, censuram a opção do Juiz paranaense de aceitar cargo de Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública e abandonar a magistratura.

Temos que voltar a sentir orgulho de sermos Juízes!

O peculiar fato de alguns colegas Brasil afora terem visões ideológicas distintas e surfarem nessa onda de polarização radical não é o que nos move a pensar o presente texto; os autores, há muito, defendem, publicamente, que o cargo de Juiz não retira as características inerentes à qualidade de cidadão, mesmo com as limitações constitucionais e legais inerentes ao cargo. http://amarn.com.br/noticia/8423/os-magistrados-nao-sao-subcidadaos-mesmo-com-as-limitacoes-por-herval-sampaio

Portanto, diferenças de pensar são mais que naturais e opiniões políticas todos têm o direito de ter. No caso dos magistrados, a missão maior é jamais permitir que determinado modo de pensar nessa seara interfira na sagrada missão de se decidir com isenção, já que a atuação do Estado-Juiz pressupõe a necessária imparcialidade.

E, nesse tocante, a atuação do Juiz Sérgio Moro pode ser descrita como presumivelmente escorreita, proba e isenta, embora tenha desagradado alguns setores da sociedade. Entretanto, assim como todos os demais magistrados brasileiros, é de se entender que desagradar é inerente à função de julgar. Nada mais natural. O que se tem que defender, de forma intransigente, é a Magistratura e sua liberdade de decidir e, por conseguinte, a própria sociedade.

Portanto, mesmo respeitando posições em contrário, o Brasil, representado pela maioria de seus cidadãos, está sentindo um renovar de esperanças que exsurge do contexto e atual momento político pelo qual passa a Nação e isso se dá também com a participação de um Juiz de primeiro grau, devendo ser exaltado ao máximo.

Especialmente no que se refere à indicação do Juiz Sérgio Moro, convidado por sua Excelência, o Presidente da República eleito Jair Messias Bolsonaro para ocupar a cadeira de Ministro de Estado da Justiça, o Poder Judiciário está enaltecido e honrado, como destacado em notas da AMB e Anamages. http://www.amb.com.br/nota-publica-sobre-indicacao-do-juiz-sergio-moro/ e http://anamages.org.br/noticias/anamages-sauda-o-juiz-sergio-moro-novo-ministro-da-justica 

Isso porque o cenário é deveras especial por vários motivos, dentre os quais se destaca a coragem do magistrado que, mesmo diante da dificílima decisão de abandonar 22 anos de magistratura, sem direito nem a aposentaria proporcional às contribuições previdenciárias devidamente recolhidas, abraça o grande projeto que busca um bem maior ao País e ao seu povo, aceitando desafio que somente aos bons soldados é entregue.

Moro foi um juiz que se destacou por seu trabalho judicante e, na maioria das vezes, os magistrados que alcançam reconhecimento são os colegas de gabinetes (gabinetes do segundo grau ou tribunais superiores).

Apesar de reconhecer que é preciso, sim, quebrantar o discurso de nossa atuação política, pois ao não participarmos do tabuleiro de decisões políticas, ficamos a reboque de diversas categorias que hoje estão muito melhor representadas nas esferas de decisão das políticas nacionais, inclusive remuneratória da classe, precisamos ter cautela no início dessa discussão para não sermos acusados de proselitismo político.

Ao Juiz e futuro Ministro Sérgio Moro caberá a árdua missão de elaborar um plano nacional de combate à corrupção e ao crime organizado, o qual encontrará, com certeza, bolsões de resistência que nem sempre estarão visíveis a olho nu… O trabalho será duro e nos momentos difíceis, deve ele lembrar que O próprio Senhor irá à sua frente e estará com você; ele nunca o deixará, nunca o abandonará. Não tenha medo! Não se desanime!

Não poderia ser tarefa fácil ser destinatário das esperanças, dos anseios e da fé da maioria da população brasileira e, justamente por isso que o nome do Juiz Sérgio Moro honra especialmente o Poder Judiciário Brasileiro, haja vista a integridade, coragem, apreço ao correto e higidez moral que sempre acompanharam a sua trajetória, não se podendo aceitar acusações a sua Excelência, baseadas em ilações e construídas unicamente na insatisfação de suas decisões.

O Brasil torce e acompanhará a luta diuturnamente e não há de descansar enquanto a missão não for plenamente cumprida. Que Deus abençoe Moro, que ele acerte, que recobremos o orgulho de ser juízes, pois o país precisa de que os seus juízes de verdade (os que são juízes julgadores de processos) sintam, novamente, o orgulho de serem membros deste Poder.  

Força e Fé em Deus!!

*José Herval Sampaio Júnior, Juiz de Direito e Presidente da AMARN, Pedro Rodrigues Caldas Neto, Juiz de Direito e Vice-Presidente da AMARN e Luiz Cândido Villaça, Juiz de Direito e Diretor da AMARN.

ESTADÃO: OS DESESPERADOS

EDITORIAL 

O Jornal Estadão atesta que o partido de Lula da Silva, o PT, foi desossado pelas urnas e pela Justiça:

“À medida que foi sendo desossado pelas urnas e pela Justiça, o partido de Lula da Silva recrudesceu seu autoritarismo, expondo cada vez mais seu desespero. Depois de passar a campanha inteira a denunciar como ‘golpe’ o impeachment constitucional de Dilma Rousseff, a exigir a libertação de Lula, como se este não tivesse que cumprir pena pelos crimes que cometeu, e a exigir apoio a seu candidato como única forma de ‘salvar a democracia’ ante o perigo do ‘fascismo’ supostamente representado pela candidatura de Bolsonaro, o PT agora trata de dizer que a vitória do oponente resultou de um processo ‘eivado de vícios e fraudes’, conforme declarou a presidente do partido, Gleisi Hoffmann.

Os petistas, assim, fazem exatamente aquilo que deles se esperava – isto é, em vez de aceitar o resultado das urnas e se organizar para fazer oposição decente e leal ao futuro governo, preferem deflagrar campanha para deslegitimar a vitória de Bolsonaro. Do alto de sua prepotência, os petistas dizem que Bolsonaro foi eleito depois de ‘uma campanha de ódio e de mentiras, que nos últimos anos manipulou o desespero e a insegurança da população’, como diz uma resolução da Executiva Nacional do PT aprovada logo após a eleição. Ou seja, para o PT, se não houvesse ‘manipulação’ e ‘mentiras’ o candidato petista seria eleito com folga.

Um partido que em documento oficial chama um presidente democraticamente eleito de ‘aventureiro fascista’, como faz o PT, não tem a menor intenção de fazer oposição. Para esta atitude verdadeiramente golpista já chamávamos a atenção no editorial Desespero, de 19 de outubro. Sua intenção é inviabilizar o governo e, por tabela, impedir que o País saia da crise que os próprios petistas criaram em sua desastrosa passagem pela Presidência. Os desesperados petistas prometem ‘construir uma frente de resistência pelas liberdades democráticas’, como se o País estivesse às portas da ditadura, e essa ‘resistência’ se estende a tudo o que interessa à maioria da população, a começar pela reforma da Previdência.

Enquanto isso, os grupelhos a serviço do lulopetismo mostram do que é feita a “democracia” que defendem: uma manifestação convocada pelo notório Guilherme Boulos para exigir que Bolsonaro ‘respeite a oposição’ e ‘as liberdades democráticas’ acabou em tumulto e depredação na terça-feira passada em São Paulo.

Não surpreende, assim, que a tal ‘frente de oposição’ que o PT pretende liderar não tenha apoio. O grave momento do País exige um esforço de todos para a superação da crise, o que implica a existência de uma oposição dura, porém prudente. Os sabotadores – aqueles que não se importam com o interesse público – devem ser isolados, para que fique patente de vez sua profunda irresponsabilidade.”

MORO DIZ QUE SE INSPIROU EM JUIZ DAS MÃOS LIMPAS

INSPIRAÇÃO DE MORO PARA DEIXAR A TOGA 

Resultado de imagem para Sérgio Moro na cada de Jair Bolsonaro

Na última sexta-feira, Sergio Moro enviou uma mensagem aos magistrados da Ajufe em que diz ter se inspirado no juiz Giovanni Falcone, da Operação Mãos Limpas, para deixar a toga e assumir o ministério da Justiça.

Eis a íntegra da mensagem publicada pela Folha:

Prezados colegas magistrados federais,

A todos que me endereçaram congratulações aqui, meus agradecimentos.

Foi uma decisão muito difícil, mas ponderada.

Em Brasília, trabalharei para principalmente aprimorar o enfrentamento da corrupção e do crime organizado, com respeito à Constituição, às leis e aos direitos fundamentais.

Lembrei-me do juiz Falcone, muito melhor do que eu, que depois dos sucessos em romper a impunidade da Cosa Nostra, decidiu trocar Palermo por Roma, deixou a toga e assumiu o cargo de Diretor de Assuntos Penais no Ministério da Justiça, onde fez grande diferença mesmo em pouco tempo. Se tiver sorte, poderei fazer algo também importante.

Da minha parte, sempre terei orgulho de ter participado da Justiça Federal e os magistrados terão sempre o meu respeito e admiração. Continuem dignificando a Justiça com atuação independente (mesmo contra, se for o caso, o Ministério da Justiça).

Abs a todos,

Sergio Fernando Moro

RESPEITEM PADRE SÁTIRO

UMA HISTÓRIA DE RESPEITO 

POR MARCOS ARAÚJO

“JE SUIS” (somos todos) PADRE SÁTIRO!

Não se nega que vivemos um momento de grave convulsão social, moral, política e econômica. Tempos difíceis em que são tênues (ou até inexistentes!) as linhas limítrofes da tolerância e da agressão desnecessária; do amor e do ódio; da educação e da incivilidade; do respeito e da barbárie…

Alguns dizem que vivemos uma “guerra”, dado aos altos índices da violência física e comunicacional. Porém, mesmo nas guerras (bélicas, sobretudo) existem limites morais intransponíveis. Quando a ONU organizou uma conferência diplomática que resultou no chamado Estatuto de Roma, em 1998, colocou como preceito a ser cumprido por todas as nações a proibição de “fazer ataques contra civis não engajados nas batalhas”.

Também há uma regra, um consenso internacional. de que nas guerras não se atacam ou se destroem obras de arte, monumentos e patrimônios culturais e educacionais, e que não se violam instituições…

Como exemplo, mais até do que as crianças e as jovens violentadas (o que é abominável!), quando o Estado Islâmico destruiu os monumentos históricos e culturais de Palmira, Nimhud e Hatra, o mundo inteiro chorou.

Se faz este preâmbulo para trazer à lembrança coletiva duas premissas: i) Padre Sátiro é um civil que não estava engajado na “batalha” política que vinha se travando nesses últimos dias; e, ii) ele é um “monumento”, um patrimônio cultural e educacional do nosso Estado, e além-fronteiras. Ele não pode ser atacado, ou utilizado maldosamente, ainda que em tempos de “guerra”.

Qualquer pessoa que o conheça minimamente saberia que ele nunca pronunciaria palavras ou ilações contra quem quer que seja.

Padre Sátiro, ao contrário, é comunicador da não-violência. A sua linguagem é do amor, respeito, compreensão, gratidão, compaixão e preocupação com os outros.

Seu prestigio intelectual, sua inatacável condição moral, sua insuspeição de intenções, sua voz altíssona em defesa da educação, o fizeram baluarte e pilastra da nossa sociedade. Não se destrói, em vão, uma base social.

A aridez espiritual do momento traz uma apatia a nós, ditos cristãos, que nem mesmo temos tido coragem para se pronunciar vivamente contra as injustiças praticadas, sejam elas individuais ou coletivas.

Tendo Padre Sátiro sido vítima de uma injusta armação, todos os mossoroenses que o amam devem pôr-se de pé, altíssonos, em repúdio aos injuriadores daquele que em toda sua vida foi refúgio de paz, amizade, apreço, orientação e tranquilidade.

Aproveitando a metáfora do dia de finados, devemos contribuir para o fim dessa cultura de morte, da comunicação violenta, da fake news, do desrespeito ao próximo…

Rogo a Cristo, o Senhor da vida, para que nos conduza a um mundo de paz e esperança. Se o mundo está obscuro, em trevas, resta esperar a ação profética trazida por Ezequiel, prometendo ele que Deus vai tomar conta das suas “ovelhas” e “resgatá-las de todos os lugares em que foram dispersadas, num dia de nuvens e escuridão.” E mais ainda, diz o Senhor Deus: “eu farei justiça entre uma ovelha e outra, entre carneiros e bodes”. (Ez 34, 11-19)

Padre Sátiro é a última unanimidade humana viva de Mossoró! Poor isso, reitero: Je suis Padre Sátiro!

*Marcos Araújo é jurista

 

(RE)TWITTANDO

OPINIÃO

Minutos após a vitória nas eleições iniciamos uma intensa agenda com propostas para fazermos diferente de tudo que governos anteriores fizeram, desde planos para fomentar a economia, mas principalmente, resgatar a confiança do brasileiro e do estrangeiro em nosso Brasil.

Ao conversar com o presidente nesses últimos dias, tenho verificado a sua preocupação em corresponder com a confiança que o povo depositou nele. Ele sabe que vai encontrar uma pedreira pela frente, mas está otimista, cheio de energia, com uma garra incrível para mudar o Brasil.

Efeitos imediatos da nomeação de Sergio Moro para o Ministério da Justiça: os homens de bem estão felizes, o Brasil que presta está otimista, o PT está em pânico e políticos bandidos estão sem dormir há três dias

Alguns criminalistas criticam Sérgio Moro no Ministério da Justiça porque foram derrotados nos autos e para agradar a vasta clientela que o juiz meteu na cadeia. Deveriam ser gratos a Moro, ganharam uma fortuna.

Alguns criminalistas criticam Sérgio Moro no Ministério da Justiça porque foram derrotados nos autos e para agradar a vasta clientela que o juiz meteu na cadeia. Deveriam ser gratos a Moro, ganharam uma fortuna.

A eleição terminou domingo. Não queremos terceiro turno. É preciso respeitar a vontade de 57 milhões de brasileiros e parar de olhar pelo retrovisor dessa disputa!

QUEM VOTA HADDAD VOTA FÁTIMA

NÃO QUEIRAM ENROLAR O VELHO APACHE COM A HISTÓRIA DE QUE VOTOU EM HADDAD E CARLOS EDUARDO

Resultado de imagem para Posição de juramento

POR VELHO APACHE 

O Velho Apache Antenado foi afetado por uma rouquidão aguda, efeito de tanto ouvir, uns meninões & meninonas que estão a arguir o direito de voto que teriam exercido nas eleições 2018, na mossoroen (cidade).

Ocupantes de postos de destaque na administração municipal, os meninões & meninonas até brigaram – existem comprovantes – ao defender o voto no candidato do PT, Fernando Haddad.

Todavia, porém, entretanto, no entanto, (re) afirmam, de pés juntos e olhos rútilos que para o Governo do Estado, votaram em Carlos Eduardo Alves.

Em face da insistência da interlocução para que seja emitida uma opinião sobre a questão em epígrafe, o Velho Apache Antenado apenas repete o que já reverberou:

– Quem fez questão de externar voto em Haddad, também votou em Fátima, pois, jamais votaria em Carlos Eduardo. 

Votar ou não, em candidato A ou B, é um direito inalheável de todo e qualquer eleitor, no processo democrático. 

Só não me venham embromar!

 

 

CIRO PARABENIZA BOLSONARO

NOTA

Através de suas plataformas virtuais o ex-ministro Ciro Gomes, que ficou em terceiro lugar na disputa presidencial, parabenizou o presidente eleito, Jair Bolsonaro através de nota: