Category Archives: Notícias

Prefeito lança campanha de vacinação contra Febre Aftosa

Francisco José Júnior anuncia que em 2015 investimentos no campo serão ampliados e reforçados com parceria com o governo Robinson 

O prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior, lança nova campanha de vacinação animal – Fotos: iPad Skarlack

Na manhã desta quarta-feira, 29, a Prefeitura Municipal de Mossoró lançou, no Parque de Exposição Armando Buá, a campanha de vacinação contra a febre aftosa. O prefeito Francisco José Júnior, o vice-prefeito Luiz Carlos, o secretário municipal de Agricultura e dos Recursos Hídricos (SEMARH), Rondinelli Carlos, o vereador e representante da Câmara Municipal de Mossoró no evento, Claudionor dos Santos, e o presidente do Sindicato da Lavoura de Mossoró, Francisco Gomes, participaram do lançamento.

A campanha de vacinação contra a aftosa faz parte do programa nacional de erradicação da doença, cujo objetivo é conseguir a certificação internacional de área livre da aftosa. Através da Semarh e da parceria firmada com o Governo do Estado, pelo Instituto de Defesa de Inspeção Agropecuária do Estado do Rio Grande do Norte (IDIARN), quatro equipes técnicas percorrerão as 133 comunidades e projetos de assentamento que formam a zona rural de Mossoró. A expectativa do secretário responsável pela pasta, Rondinelli Carlos, é que sejam vacinados mais de dez mil animais, com vistas a manter o Município e o Estado livres da febre aftosa.

Para o prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior, manter o município livre da aftosa é um compromisso de parceria entre o Poder Municipal e os criadores de gado, sendo um ato que evita prejuízos aos produtores e danos aos animais. É importante ressaltar que é de total responsabilidade do criador a compra da vacina e a sua aplicação, além de declarar os animais vacinados ao órgão responsável, o Idiarn.

“Garantimos aos pequenos criadores, que possuem cerca de 25 a 30 cabeças de gado e sobrevivem da agricultura de subsistência, a compra e a aplicação da vacinação contra a febre aftosa. É uma medida para manter Mossoró com o selo de município livre da doença e para dar segurança e apoio aos criadores, importantes para a injeção na nossa economia”, defendeu Francisco José Júnior.

Dando continuidade aos diálogos, parcerias e compromissos firmados com a zona rural, o Poder Municipal irá disponibilizar mais de 12 mil doses de vacina, além de todo o material a ser usado na vacinação, como pistolas, agulhas, luvas, botas e as despesas com veículos e pessoal especializado para vacinar.

A vacinação do rebanho será iniciada no próximo dia 3 de novembro e segue até o dia 26 do mesmo mês.

Fonte: Assessoria da PMM

Aécio volta à cena e se coloca como líder da oposição

Senador mineiro conclama oposição a não se desmobilizar

Depois de um pronunciamento tímido minutos após ser oficialmente informado de sua derrota, o candidato do PSDB ao Planalto, Aécio Neves, publicou um vídeo nas redes sociais em que agradece os votos que recebeu, diz que vai fiscalizar o governo eleito e que a “força” que adquiriu na disputa é “que vai levar o Brasil à verdadeira mudança”.

A fala foi interpretada por aliados como uma forma de Aécio se colocar como protagonista da oposição ao governo Dilma Rousseff (PT) e principalmente marcar posição no debate interno sobre a disputa ao Planalto em 2018.

“Disputamos uma eleição desigual, com o outro lado usando como nunca a máquina pública, a infâmia e a mentira contra nós. Mas aconteceu uma outra coisa extraordinária, que foi o Brasil acordando. As pessoas indo pras ruas, tentando ser protagonistas do seu próprio destino”, diz o tucano no início do vídeo publicano na noite desta terça (28) em seu Facebook.

“Essa é a maior força que temos hoje”, continua, para dizer que irá ” fiscalizar” a petista.

“Fiquem tranquilos que eu estarei atento e vigilante para que cada compromisso da campanha seja cumprido. Ou será cobrado.”

Aécio encerra sua fala citando o ex-governador Eduardo Campos, morto em um acidente aéreo durante a disputa, e Tancredo Neves, seu avô.

Ele usou frases de ambos para pedir que seus apoiadores não se desmobilizem.

“É isso que peço a cada um de vocês. Não vamos desistir do Brasil e não vamos nos dispersar. A força que nós adquirimos é a força que vai levar o Brasil à verdadeira mudança.”

Fonte: www.folha.com.br

Dois dias depois de reeleita, “represidenta” sofre derrota histórica na Câmara, que rejeita decreto bolivariano sobre conselhos populares

Jornalista da Veja comenta derrota de Dilma dois dias depois de ser reeleição

Por: Reinaldo Azevedo

Dois dias depois da reeleição de Dilma Rousseff, a Câmara dos Deputados, por ampla maioria — foi realizada em votação simbólica, com encaminhamento de lideranças — derrubou o decreto 8.243, o dos Conselhos Populares. Acompanhei a sessão. Voltarei ao assunto com mais detalhes. O PT, o PSOL, o PCdoB e o PROS tentaram desesperadamente obstruir a votação do Decreto Legislativo 1.491, que derrubava o de Dilma. Não conseguiu.

Por mais que os governistas, alguns com discursos lastimáveis, tenham afirmado que não se trata de uma derrota de Dilma, a verdade evidente é que se trata, sim.

Não custa lembrar trechos do monstrengo dilmiano. O Artigo 1º do decreto estabelece: “Fica instituída a Política Nacional de Participação Social – PNPS, com o objetivo de fortalecer e articular os mecanismos e as instâncias democráticas de diálogo e a atuação conjunta entre a administração pública federal e a sociedade civil”. Sei… O Inciso II do Artigo 3º sustenta ainda que uma das diretrizes do PNPS é a “complementariedade, transversalidade e integração entre mecanismos e instâncias da democracia representativa, participativa e direta”.

Certo! Então os conselhos seriam uma forma de democracia direta, né? Só que é a democracia direta que se realiza à socapa, sem que ninguém saiba. Ou o “cidadão” decide fazer parte de algum “coletivo” ou “movimento social” ou não vai participar de coisa nenhuma. O texto tem o topete de definir o que é sociedade civil logo no Inciso I do Artigo 2º: “o cidadão, os coletivos, os movimentos sociais institucionalizados ou não institucionalizados, suas redes e suas organizações”. Ou por outra: é sociedade civil tudo aquilo que o poder decidir que é; e não é o que ele decidir que não é.

Fim da propriedade privada
Como observei numa coluna na Folha, O “indivíduo” só aparece no decreto para que possa ser rebaixado diante dos “coletivos” e dos “movimentos sociais institucionalizados” e “não institucionalizados”, seja lá o que signifiquem uma coisa, a outra e o seu contrário. Poucos perceberam que o decreto institui uma “justiça paralela” por intermédio da “mesa de diálogo”, assim definida: “mecanismo de debate e de negociação com a participação dos setores da sociedade civil e do governo diretamente envolvidos no intuito de prevenir, mediar e solucionar conflitos sociais”.

Ai, ai, ai… Como a Soberana já definiu o que é sociedade civil, podemos esperar na composição dessa mesa o “indivíduo” e os movimentos “institucionalizados” e “não institucionalizados”. Se a sua propriedade for invadida por um “coletivo”, por exemplo, você poderá participar, apenas como uma das partes, de uma “mesa de negociação” com os invasores e com aqueles outros “entes”. Antes que o juiz restabeleça o seu direito, garantido em lei, será preciso formar a tal “mesa”…

Isso tem história. No dia 19 de fevereiro, o ministro Gilberto Carvalho participou de um seminário sobre mediação de conflitos. Com todas as letras, atacou a Justiça por conceder liminares de reintegração de posse e censurou o estado brasileiro por cultivar o que chamou de “uma mentalidade que se posiciona claramente contra tudo aquilo que é insurgência”. Ou por outra: a insurgência lhe é bem-vinda. Parece que ele tem a ambição de manipulá-la como insuflador e como autoridade.

Vocês se lembram do “Programa Nacional-Socialista” dos Direitos Humanos, de dezembro de 2009? É aquele que, entre outros mimos, propunha mecanismos de censura à imprensa. Qual era o Objetivo Estratégico VI? Reproduzo trecho:

“a- Assegurar a criação de marco legal para a prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos, garantindo o devido processo legal e a função social da propriedade.
(…)
d- Propor projeto de lei para institucionalizar a utilização da mediação como ato inicial das demandas de conflitos agrários e urbanos, priorizando a realização de audiência coletiva com os envolvidos (…) como medida preliminar à avaliação da concessão de medidas liminares (…)”

Dilma voltou à carga, resolveu dar uma banana para o Congresso e, em vez de projeto de lei, que pode ser emendado pelos parlamentares, mandou logo um decreto.

Quebrou a cara. E olhem que isso aconteceu com a atual composição da Câmara. A da próxima legislatura é ainda mais inóspita ao governo.

Fonte: www.veja.com.br

Dois dias depois da eleição, Câmara derruba decreto bolivariano de Dilma

Projeto era destinado a criar conselhos populares em órgãos da administração

Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília

A Câmara dos Deputados reagiu e, enfim, derrubou nesta terça-feira o decreto bolivariano da presidente Dilma Rousseff, destinado a criar conselhos populares em órgãos da administração pública. A matéria foi assinada no final de maio em uma canetada da presidente e foi alvo decríticas de juristas e parlamentares. O Senado ainda tem de avaliar o projeto de decreto legislativo para que a determinação do Planalto seja suspensa.

A derrubada da matéria é uma reivindicação antiga da oposição e se deu dois dias após as eleições, indicando a turbulência que Dilma encontrará no Congresso no novo mandato. “Essa derrota é para mostrar que o discurso de conversa com o Congresso não poder ficar só na teoria”, resumiu o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA).

Reinaldo Azevedo: Decreto é bolivariano, sim!

Tão logo foi apresentado, no início de julho, o projeto que sustava o texto palaciano teve adesão maciça de partidos de oposição e da base, contando inclusive com o apoio do PMDB, maior aliado do governo. Na Câmara, a matéria ganhou regime de urgência, o que permitiu que fosse direto ao plenário antes de tramitar pelas comissões. O projeto de decreto legislativo que pedia a suspensão da canetada de Dilma foi pautado nesta terça por Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Casa que saiu derrotado na disputa ao governo do Rio Grande do Norte. Alves credita sua derrota à falta de apoio da presidente Dilma e ao fato de que o ex-presidente Lula chegou a participar da propaganda eleitoral do adversário Robinson Faria (PSD), eleito para o governo potiguar. Durante a sessão, o presidente convocou os deputados para que se mantivessem no plenário e garantissem a aprovação do texto. A derrubada do decreto foi aprovada em votação simbólica.

‘Sociedade civil’ – O decreto número 8.243/2014 foi criado sob o pretexto de instaurar a Política Nacional de Participação Social (PNPS) e o Sistema Nacional de Participação Social (SNPS). Mas, na prática, prevê a implantação de “conselhos populares”, formados por integrantes de movimentos sociais, vinculados a órgãos públicos. A matéria instituiu a participação de “integrantes da sociedade civil” em todos os órgãos da administração pública. Porém, ao trazer uma definição restritiva de sociedade civil, representa um assombroso ataque à democracia representativa e à igualdade dos cidadãos ao privilegiar grupos alinhados ao governo.

O decreto do Palácio do Planalto é explícito ao justificar sua finalidade: “consolidar a participação social como método de governo”. Um dos artigos estabelece, em linhas perigosas, o que é a sociedade civil: “I – sociedade civil – o cidadão, os coletivos, os movimentos sociais institucionalizados ou não institucionalizados, suas redes e suas organizações”. Ou seja, segundo o texto assinado por Dilma, os movimentos sociais – historicamente ligados ao PT – são a representação da sociedade no Estado Democrático de Direito.

A votação, que se arrastou por mais de duas horas, foi marcada por debates acalorados. “Numa democracia, quem escolhe o representante é o cidadão, é o povo. Com esse decreto, a presidente quer que essa escolha seja feita pelo próprio PT. Isso é um regime autoritário”, afirmou o líder do PSDB, deputado Antônio Imbassahy (PSDB-BA). “A Casa tem de se pronunciar. Não há espaço para que haja uma omissão do Parlamento brasileiro tendo em vista um quadro tão grave. A presidente Dilma prega dialogar, chama a nação para uma ampla negociação, mas impõe, via decreto presidencial, um modelo de consulta à população que é definido pelo Poder Executivo. É uma forma autocrática, autoritária, passando por cima do Congresso Nacional. Esse é um decreto bolivariano que realmente afronta o Poder Legislativo”, continuou o líder do DEM, deputado Mendonça Filho (PE).

O PT tentou evitar a derrota a todo custo. Sabendo que não funcionaria no diálogo, o partido apresentou uma série de requerimentos, entre eles para adiar a sessão e retirar a matéria de pauta, mas todos foram rejeitados.

Videocast Antenado: Manoel Cunha Neto

Deputada estadual eleito fala sobre planos para mandato

Fábio Dantas destaca projetos que a futura gestão defende executar

Vice-governador eleito fala sobre eleição vitoriosa em entrevista na Rede Tv

20141028_135257

O vice-governador eleito para a próxima gestão no Rio Grande do Norte, Fábio Dantas (PcdoB) foi entrevistado nesta terça-feira (28) pelos jornalistas Juliana Celli e Túlio Lemos no Jornal Verdade da Rede TV e falou sobre os projetos para o Estado e sua contribuição no governo.

Fábio Dantas agradece os 877.286 votos da eleição que o elegeu na chapa do governador eleito Robinson Faria (PSD).  “A nossa vitória foi histórica. O povo mostrou que a força política vem do povo que elege e derrota quem quiser”, destacou Fábio Dantas.

Sobre a equipe de transição, o vice-governador antecipou que a equipe será anunciada na próxima semana. “Vamos levantar os dados atuais do Estado e faremos uma equipe técnica para organizar as próximas ações”, argumentou.

Durante a entrevista, Fábio reafirmou que não aceitará ser secretário na gestão estadual. “Quero emprestar o mandato de vice-governador para ajudar o Rio Grande do Norte. Vou ser parceiro de Robinson no meu mandato, mas sem ser secretário”, destacou.

O papel vitorioso da coligação Liderados pelo Povo formada pelos partidos PSD, PT, PC do B, PP, PT do B, PEN, PRTB e PTC também foi elogiada pelo vice-governador eleito. “A nossa vitória veio do povo e teve apoio em cada um dos partidos que acreditara, apoiaram e ajudaram em todo o Rio Grande do Norte”, frisou.

Os temas políticos como a reeleição da Assembleia, a questão do orçamento na Assembleia e os projetos que serão prioridade no Estado também foram comentados durante a entrevista.

Prefeito de Mossoró é surpreendido com nota falsa publicada em seu nome

Francisco José Júnior refuta notícia e se coloca a disposição da imprensa

DSC_0081

O prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior, foi surpreendido nesta terça-feira, 28, com uma nota falsa publicada em um blog do Seridó. A publicação foi feita como se ele tivesse escrito para o blogueiro, dando informações sobre seu futuro político e tentando criar caso com outras lideranças políticas de Mossoró. O problema é que o prefeito não mandou nota nenhuma nem sequer falou com o blogueiro por telefone.

Francisco José Júnior pediu, através de sua assessoria, direito de resposta, que foi concedido, e esclareceu o fato. Ele disse ainda que refuta tal prática que, no caso específico, fere o artigo 299 do Código Penal, o qual prevê “reclusão de um a três anos e multa, se o documento é particular” para quem “(…) inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita, com o fim de prejudicar direito, criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante”.

Para evitar a repetição deste crime, o prefeito Francisco José Júnior se coloca à disposição de todos os jornalistas para conversar sobre qualquer assunto administrativo ou político.

Quanto às inverdades publicadas, Francisco José Júnior esclarece que, embora não seja momento de falar em eleição municipal, não haverá impedimento jurídico para ele tentar a reeleição, caso seja essa a sua vontade. Sua assessoria jurídica encontrou pelo menos 11 jurisprudências do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que abrem precedentes para isso.

No mais, Francisco José Júnior diz que é hora de seguir firme no trabalho administrativo que iniciou em Mossoró desde que assumiu a Prefeitura. Para isso, todo o esforço será feito para trabalhar em conjunto com qualquer liderança que queira ajudar no desenvolvimento de Mossoró. Bem como, acredita que com Robinson, governador, Fátima, senadora, e a presidenta Dilma, ficará mais fácil lutar pelas ações macro que ajudarão Mossoró a crescer ainda mais.

O Velho Apache Antenado opina: “Ainda tem nordestino que não gosta de Diogo Mainardi”

A recepção ao vice-governador Robinson Faria, em Mossoró, antes e depois de se eleger governador 

Robinson Faria ao chegar no aeroporto Dix-sept Rosado, no dia 30 de abril, para recepcionar Gilberto Kassab  – Fotos: iPad Skarlack – Arquivo

“Cada frase do adulador é composta de um sujeito, um predicado e um cumprimento”.

Mais do que nunca em tempos de pós-eleição, esta sentença de Georges Clemenceau é encarnada por essa “espécie animal de primata bípede do gênero Homo” que está sempre com quem vence.

E, a noite desta segunda-feira, 27, em Mossoró, tivemos uma prova inconteste dessa triste realidade.

Foi por ocasião do desembarque do governador eleito do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), por volta das 21h, no aeroporto Dix-sept Rosado.

Nunca antes na história de seus desembarques em Mossoró, Robinson Faria foi tão mimado, bajulado e convidado a fazer um selfie – autorretrato, e é uma foto tirada e compartilhada na internet.

Como sempre, nestas ocasiões os profissionais de imprensa são as primeiras vítimas, pois, via de regra, tem seu trabalho prejudicado.

Quando observou o mar de gente, claro, com cada um se declarando “Robinson, desde criança”, então, o Velho Apache Antenado fez um flash back.

E, nos arquivos do iPad alguns registros de quando, por algumas vezes, o então pré-candidato a governador, Robinson Faria, desembarcava no aeroporto Dix-sept Rosado, tendo apenas alguns poucos aliados a lhe recepcionar.

Por dever de Justiça, o Velho Apache Antenado não esquece o prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior, o vereador, Jório Nogueira e Diego Dantas e outros poucos.

Para memorizar, destaco o desembarque de Robinson, no aeroporto Dix-sept Rosado, no dia 30 de abril.

Naquele dia ele veio a Mossoró, acompanhar o ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, que é presidente nacional do PSD, partido que Robinson comanda no RN.

Todavia, porém, no entanto, entretanto, o tempo passa, o tempo voa…

Nesta segunda-feira, 28 de outubro, quando desembarcou no aeroporto Dix-sept Rosado para comemorar sua vitória para o Governo do Estado, claro, o número de “aliados” aumentou.

E, depois de passar em vista as imagens da recepção ao governador eleito, o Velho Apache Antenado, gargalhou, e ironizou:

– E ainda tem gente por aqui que quer crucificar Diogo Mainardi por algumas verdades que declara sobre nós nordestinos.

Antes de recolher-se a seu estado de insignificância, todavia, o Velho Apache Antenado, fez suas as palavras de Epicteto, ao governador eleito, Robinson Faria, que serve como um aviso:

– Um adulador parece-se com um amigo, como um lobo se parece com um cão. Cuida, pois, em não admitir inadvertidamente, na tua casa, lobos famintos em vez de cães de guarda.

Robinson Faria ao chegar ao aeroporto de Mossoró, na noite desta segunda-feira, 28 de outubro, para comemorar sua eleição de governador – Fotos: ipad Skarlack

 

Prefeito lança mais uma campanha de vacinação cotra a Febre Aftosa

Francisco José Júnior presidirá solenidade nesta quarta-feira, às 9

O prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior (PSD), lançará nesta quarta-feira, 29, no Centro de Animais Armando Buá, mais uma campanha de vacinação contra a Febre Aftosa.

A solenidade está marcada para às 9h.

 

Deputado Souza defende geração de emprego e renda no interior

Deputado estadual eleito diz que já foi procurado por candidatos a presidente da Assembleia Legislativa

O deputado estadual eleito, Souza, conversa com J. Belmont na Rádio Diifusora – Fotos: iPad Skarlack

O deputado estadual, Manoel Cunha Neto anuncia que na Assembleia Legislativa, em seu primeiro mandato, vai priorizar a defesa de geração de emprego e renda no interior do Estado.

Com a experiência de quem foi vereador e prefeito de Areia Branca, ele diz que não pode esquecer de defender que indústrias vem se instalar no interior.

POLÍTICA – Ele revelou que já foi procurado por alguns candidatos a presidente da Assembleia Legislativa, e está avaliando em quem vai votar.

Sobre o fato de ter votado no candidato derrotado, Henrique Alves, Souza diz que como deputado vai se portar na defesa do povo.

– Não vou agir como deputado de oposição ou de situação -, cita.

ENTREVISTA – Souza conversou na tarde desta terça-feira, 28, com o radialista J. Belmont, em seu programa na rádio Difusora de Mossoró – AM 1.170khz.

Ele estava em companhia de seu assessor de imprensa, o jornalista Carlos Santos.