ENTREVISTA: SILAS MALAFAIA

ROBERTO CABRINI ENTREVISTA O PASTOR SILAS MALAFAIA

A entrevista foi ao ar neste domingo (12) a meia noite

O jornalista Roberto Cabrini exibiu uma entrevista reveladora com o pastor Silas Malafaia, presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC), no programa Conexão Repórter deste domingo (12), no SBT. Durante dias, o programa acompanhou o dia a dia do pastor, perguntou detalhes sobre a sua vida e o abordou sobre o indiciamento por suspeita de lavagem de dinheiro. Como resposta, o pastor mostrar sua declaração de imposto de renda, onde constam detalhes de doações e bens pessoais.

Leia também: Advogado confirma: ‘Dinheiro para o Pr. Silas Malafaia foi oferta’; confira!

Cabrini mostra ainda as ruas que levam à infância do pastor, a casa onde cresceu e, até hoje, vivem a mãe e uma irmã. O projeto social que Silas ajuda: um espaço que cuida de moradores de rua e viciados em drogas.

O programa mostra ainda seu fogo cruzado contra um desenho animado que, segundo ele, incita a ideia do homossexualismo em crianças. As facetas de um homem que condena o homossexualidade, o aborto, e outros temas. A rotina, o trabalho e a vida em família.

Confira trechos da entrevista:

Sem meias palavras, Pr. Silas respondeu a todos os questionamentos

Sem meias-palavras, Pr. Silas respondeu a todos os questionamentos

Cabrini: De tudo o que os seus inimigos dizem a seu respeito, o que mais incomoda o senhor?
Malafaia: O que mais incomoda é a calúnia e a difamação.

Cabrini: Uma frase que incomoda…
Malafaia: Dizer que estou sendo acusado de lavagem de dinheiro. Isso é a maior bandidagem.

Cabrini: A Polícia Federal considera o senhor suspeito de pertencer a uma organização criminosa?
Malafaia: Deixa eu te falar: o delegado tem o direito de indiciar quem ele quiser, como ele quer. Para isso tem a Justiça.

Cabrini: A Polícia Federal suspeita que o senhor usou as suas contas para esconder o dinheiro da máfia da mineração.
Malafaia: Mentira. O processo tem mais de mil páginas, meu nome aparece em 2 linhas e meia. Eu recebi uma oferta de R$ 100 mil, depositei na minha conta, declarei ao Imposto de Renda e poderia ter usado como usei outras ofertas. Não tem nada ilegal, vou provar com toda essa documentação que sou inocente, não tenho nada a ver com esses canalhas e bandidos, que roubaram mais de 70 milhões, isso é um jogo.

Cabrini: O senhor teme ser preso?
Malafaia: Não, não tem uma vírgula de motivo para isso, não tem uma prova de que eu participei de uma Operação para roubar a nação. Isso é uma infâmia, é uma safadeza, querem me denegrir porque eu sou um pastor que tem influência na sociedade.

Cabrini: Seus inimigos o classificam como mercador de almas, alguém que visa sempre o lucro em nome da exploração da fé.
Malafaia: Isso é tão baixo, tão sujo e tão medíocre, porque para dizer isso tem que provar.

Cabrini: Se um dos seus filhos fosse gay, como é que o senhor reagiria, como é que o senhor faria?
Malafaia: Profundamente, sem abrir mão do meu amor, mas diria para ele a verdade, dizer que está errado, porque amar não significa ser conivente.

 Toda a história da sociedade está sustentada por um homem, a mulher e seus filhos. A prole. Isso aqui é a sociedade, história da civilização. Querem mudar esse status, vamos ver esse resultado nas gerações futuras.

Cabrini: Não entram no reino do céu, mesmo se pagar o dízimo?
Malafaia: A oferta na igreja não tem nada a ver com salvação, não tem nada a ver. A oferta tem a ver com a prosperidade de viver, a soberania de Deus.

Cabrini: Por que um desenho tanto te incomoda?
Malafaia: Vê se isso tem cabimento. O que a Disney quer? Beijo gay? Erotizar crianças é a coisa mais covarde que se tem. A Disney quer colocar o homossexualismo para as crianças… E eu vou me calar? Aí querem me bater. Você vai me desculpar, eu não posso me calar.

* A íntegra do programa ainda não foi liberada. Assim que isso acontecer atualizaremos a matéria aqui. 

Email this to someoneShare on Facebook0Tweet about this on TwitterPin on Pinterest0Share on Google+0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 2 =