Saiba quem são os foragidos e presos na sétima fase da Lava Jato

Entre detidos, está o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque

O ex-diretor de serviço da Petrobras, Renato Duque, chega a sede da Polícia Federal no Rio de Janeiro (Foto: Márcia Foletto/Agência O Globo)

A sétima fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta sexta-feira (14) pela Polícia Federal (PF), cumpriu, até as 11h, quatro mandados de prisão preventiva, 14 de prisões temporárias e seis de condução coercitivas no Paraná, em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Minas Gerais, em Pernambuco e no Distrito Federal. Entre os suspeitos presos pela PF estão um ex-dirigente da Petrobras e executivos de empresas que mantém contratos com a estatal.

Renato Duque
O ex-diretor de Serviços da Petrobras, indicado pelo PT para o alto escalão da estatal, foi preso em sua residência, no bairro da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, e conduzido para a superintendência local da PF.

Durante depoimento prestado à Justiça Federal, o ex-diretor de Refino e Abastecimento da estatal do petróleo Paulo Roberto Costa, que fez acordo de delação premiada e cumpre prisão domiciliar, disse ter conhecimento de irregularidades praticadas na Diretoria de Serviços da empresa entre 2004 e 2012. À época, Duque comandava de Serviços da petroleira era Duque.

Segundo o delegado da PF responsável pela Lava Jato, Igor Romário de Paula, o ex-diretor de Serviços é investigado pela suposta participação na celebração de contratos oriundos de um “cartel de empreiteiras” e pelo suposto desvio de recursos para a corrupção de agentes públicos e políticos.

Nota oficial divulgada pela assessoria de Renato Duque confirmou que o ex-dirigente da Petrobras foi preso temporariamente. O texto, entretanto, destaca que não há “notícia de uma ação penal ajuizada contra ele”. “Os advogados desconhecem qualquer acusação”, diz o comunicado.

“A partir do momento em que tomarem ciência do motivo da prisão temporária, realizada para investigações, os advogados adotarão as medidas cabíveis para restabelecer a legalidade”, acrescentou a nota de Duque.

Sérgio Cunha Mendes
O vice-presidente da construtora Mendes Júnior, Sérgio Cunha Mendes, não foi localizado pela Polícia Federal. A Justiça Federal do Paraná expediu um mandado de prisão preventiva contra ele.

(Inicialmente, esta reportagem informou, com base em informações da Polícia Federal, que o vice-presidente da construtora Mendes Júnior, Sérgio Cunha Mendes, já havia sido preso no Distrito Federal. No início da tarde desta sexta, a PF retificou a informação, esclarecendo que o dirigente da empreiteira está negociando sua apresentação às autoridades policiais).

Segundo a PF, a construtora firmou contrato com a Petrobras na área que foi controlada por Paulo Roberto Costa.

Por meio de nota oficial, a Mendes Júnior disse que está colaborando com as investigações da Polícia Federal e contribuindo para o acesso às informações solicitadas. A empresa informou também que, até o final desta manhã, a empresa não tinha conhecimento sobre mandados de prisão e que nenhum de seus executivos havia sido preso.

‘Fernando Baiano’
Outro alvo da Polícia Federal é o lobista Fernando Soares, conhecido como “Fernando Baiano”. A Justiça Federal do Paraná expediu mandado de prisão temporária contra Soares, mas os policiais federais ainda não o localizaram. Ele é considerado foragido.

Em depoimento em outubro à Justiça Federal, o doleiro Alberto Youssef mencionou que o lobista operava a cota do PMDB no esquema de corrupção que funcionava na Petrobras. Conforme o doleiro afirmou à Justiça, Soares fazia a ponte entre a construtora Andrade Gutierrez com a Petrobras.

Todos os investigados que ainda não foram encontrados, esclareceram os delegados, já tiveram seus nomes registrados no sistema da Polícia Federal e estão impedidos de deixar o país. Os nomes dos investigados com mandado de prisão preventiva também foram incluídos na lista de alerta vermelho da Interpol.

Veja a lista de mandados expedidos pela Justiça Federal do Paraná:

Mandados de prisão preventiva
Eduardo Hermelino Leite (vice-presidente da Camargo Correa)
José Ricardo Nogueira Breghirolli (funcionário da OAS, em São Paulo-SP)
Agenor Franklin Magalhães Medeiros (diretor-presidente da Área Internacional da OAS)
Sérgio Cunha Mendes (diretor-vice-presidente-executivo da Mendes Junior)
Gerson de Mello Almada (vice-presidente da Engevix)
Erton Medeiros Fonseca (diretor presidente de Engenharia Industrial da Galvão Engenharia)

Mandados de prisão temporária
João Ricardo Auler (presidente do Conselho de Administração da Camargo Correa)
Mateus Coutinho de Sá Oliveira (funcionário da OAS, em São Paulo-SP)
Alexandre Portela Barbosa (advogado da OAS)
Ednaldo Alves da Silva (funcionário da UTC, em São Paulo-SP)
Carlos Eduardo Strauch Albero (diretor técnico da Engevix)
Newton Prado Júnior (diretor técnico da Engevix)
Dalton dos Santos Avancini (presidente da Camargo Correa)
Otto Garrido Sparenberg (diretor de Operações da IESA)
Valdir Lima Carreiro (diretor-presidente da IESA)
Jayme Alves de Oliveira Filho
Adarico Negromonte Filho
José Aldemário Pinheiro Filho (presidente da OAS)
Ricardo Ribeiro Pessoa (responsável pela UTC Participações)
Walmir Pinheiro Santana (responsável pela UTC Participações)
Carlos Alberto da Costa Silva
Othon Zanoide de Moraes Filho (diretor-geral de Desenvolvimento Comercial da Vital Enenharia, empresa do Grupo Queiroz Galvão)
Ildefonso Colares Filho (diretor-presidente da Queiroz Galvão)
Renato de Souza Duque (ex-diretor da Petrobras)
Fernando Antonio Falcão Soares

Mandados de condução coercitiva
Edmundo Trujillo (diretor do Consórcio Nacional Camargo Correa)
Pedro Morollo Júnior (funcionário da OAS, em Jundiaí-SP)
Fernando Augusto Stremel Andrade (funcionário da OAS, no Rio de Janeiro-RJ)
Ângelo Alves Mendes (funcionário da Mendes Júnior, em Belo Horizonte-MG)
Rogério Cunha de Oliveira (funcionário da Mendes Júnior, em Recife-PE)
Flávio Sá Motta Pinheiro (diretor administrativo e financeiro da Mendes Júnior)
Cristiano Kok (presidente da Engevix)
Marice Correa de Lima (funcionária da OAS, em São Paulo-SP)
Luiz Roberto Pereira

Fonte: www.g1.com.br

Entregue reforma do Terminal Rodoviário Diran Ramos do Amaral

Governadora Rosalba entrega reforma em Rodoviária que ganha Central do Cidadão

A governadora do Estado, Rosalba Ciarlini, preside a solenidade de entrega da reforma do Terminal Rodoviário Diran Ramos do Amaral, de Mossoró. Participam da solenidade o prefeito, Francisco José Júnior, o reitor da UERN, Pedro Fernandes

O PT em mais um caso de polícia

Íntegra da entrevista do delegado Igor Romário de Paula

O delegado da Polícia Federal Igor Romário de Paula disse nesta sexta-feira, em entrevista coletiva, que as investigações da Operação Lava Jato provam o envolvimento de nove empreiteiras em crimes.

Veja o vídeo com a íntegra da entrevista do delegado da PF:

Exclusivo: prefeito anuncia que não haverá mudança em secretariado até dezembro

Francisco José Júnior elogia Izabel Montenegro e Alex Moacir e revela que em dezembro tratará com Robinson Faria sobre indicação de nome para o secretariado estadual

Francisco José Júnior ao blog

Prefeito Francisco José Júnior fala sobre mudança em secretariado, elogia Izabel Montenegro e Alex Moacir e de conversas com Robinson Faria para indicar secretário estadual – Foto e vídeo: iPad Skarlack

Diante da onda de especulações sobre uma eventual mudança no secretariado municipal, o prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior(PSD), declara que, pelo menos até dezembro, permanece tudo como está em sua equipe.

Em entrevista exclusiva o prefeito de Mossoró, também fala sobre o aumento de sua bancada na Câmara Municipal, destacando o bom relacionamento que mantém com os vereadores Izabel Montenegro e Alex Moacir e cita que vários nomes do PMDB já fazem parte de sua gestão.

Francisco José Júnior também fala sobre as conversas com o governador eleito, Robinson Faria (PSD), para indicação de nome para o secretariado estadual.

Veja a entrevista no Videocast Antenado:

 

Correria no Terminal Rodoviária para solenidade desta sexta-feira

Governadora vai entregar obra de reforma no Terminal Rodoviário de Mossoró 

Governo tenta concluir reforma no Terminal Rodoviário para entrega nesta sexta-feira – Fotos: iPad Skarlack

A governadora do Estado, Rosalba Ciarlini (DEM), entrega em Mossoró, a sua única obra em quatro anos de gestão.

Ela vai inaugurar às 17h o Centro Administrativo Integrado Diran Amaral, que de Terminal Rodoviário foi reformado para receber dois órgãos do Estado.

No final da tarde desta quinta-feira, 13, a situação era de correria no terminal com operários tentando concluir a reforma.

 

PF prende ex-diretor da Petrobras e funcionários de 9 empresas na Lava Jato Agentes deflagraram hoje nova etapa da operação em 5 estados e no DF. Justiça bloqueou R$ 720 milhões de 36 investigados por lavagem de dinheiro.

Agentes deflagraram hoje nova etapa da operação em 5 estados e no DF. Justiça bloqueou R$ 720 milhões de 36 investigados por lavagem de dinheiro.

PF prende ex-diretor da Petrobras e funcionários de 9 empresas na Lava Jato (Márcia Foletto/Agência O Globo)

o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque. Indicado pelo PT para o cargo de alto escalão, ele foi preso em sua residência, no bairro da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, e conduzido para a superintendência local da PF.

A prisão de Duque é motivo de pânico

Se o homem falar a casa acaba de cair, diz colunista da Veja

Duque: e se ele falar?

A prisão do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque  é motivo de pânico para os suspeitos na Operação Lava-Jato e para dezenas de políticos  ainda não listados nas falcatruas. Se ele falar,  numa delação premiada, a casa acaba de cair.

 

PF prende Renato Duque, indicado de Dirceu à Petrobras

Operação foi deflagrada em cinco Estados e no DF, informa a corporação. Ao todo, Justiça bloqueou 720 milhões de reais em bens dos investigados

O ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, em foto de 2005

Rodrigo Rangel, de Brasília, e Daniel Haidar, do Rio de Janeiro

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira a sétima fase da Operação Lava Jato em cinco Estados e no Distrito Federal. A partir da análise do material apreendido até aqui e dos depoimentos colhidos nas fases anteriores da investigação, a PF cumpre, com apoio de 50 servidores da Receita Federal, 85 mandados: seis de prisão preventiva, 21 de prisão temporária, nove de condução coercitiva e 49 de busca e apreensão no Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco, além do DF. Entre os presos está Renato Duque, apontado por delatores do petrolão como interlocutor do PT na Petrobras. Também foram presos dois presidentes e um executivo de empreiteiras investigadas. São alvos de mandados de prisão Ricardo Pessoa, presidente da UTC, José Adelmário Pinheiro Filho, presidente da OAS, Rogerio Araujo, diretor da Odebrecht, e o lobista Fernando Soares.

Radar on-line: Operação vazou na quinta-feira para executivos de empreiteiras

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, uma das empreiteiras-alvo da ação é a Camargo Correa. Viaturas da PF foram vistas na sede da empresa nesta sexta-feira, em São Paulo. Onze mandados estão sendo cumpridos em grandes empresas. Como informa a coluna Radar, nenhum executivo da empreiteira está entre os alvos dos mandados de prisão.

Leia também:
CGU confirma negociata entre holandesa SBM e Petrobras
Falta de pagamentos em Abreu e Lima leva Petrobras à Justiça
Sem aval de auditoria, Petrobras adia a divulgação do balanço

Indicado por José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil condenado no julgamento do mensalão, Duque ocupou entre os anos de 2003 e 2012 a diretoria de Serviços da Petrobras. Ele foi demitido no mesmo ano que Paulo Roberto Costa. O afilhado de Dirceu foi citado em depoimentos pelo próprio Costa e também por Julio Camargo, executivo da Toyo Setal que fechou acordo de delação com a Justiça. De acordo com Costa, o PT ficava com a maior parte do rateio da propina e o responsável por captar esse dinheiro era João Vaccari Neto, tesoureiro do partido. Ainda segundo o ex-diretor da Petrobras, Vaccari negociava diretamente com Renato Duque. O ex-diretor da Petrobras foi preso em seu apartamento, na Barra da Tijuca.

A Justiça decretou o bloqueio de 720 milhões de reais em bens de 36 investigados. Dos mandados de busca, onze são cumpridos em grandes empresas, informa a PF. Também foi autorizado o bloqueio integral de valores de três empresas que pertencem a um dos operadores do megaesquema de corrupção investigado pela Lava Jato. Os envolvidos serão indiciados pelos crimes de organização criminosa, formação de cartel, corrupção, fraude à Lei de Licitações e lavagem de dinheiro.

Leia também:
PF intima empresas que abasteceram esquema de desvio na Petrobras
Esquema na Petrobras envolvia cartel de empreiteiras, diz Costa

À PF, Costa revelou que a organização criminosa que operava na estatal era muito mais sofisticada do que parecia. Segundo ele, havia um cartel de grandes empreiteiras que escolhia as obras, decidia quem as executaria e fixava os preços. Era como se a companhia tivesse uma administração paraestatal. O ex-diretor listou oito empreiteiras envolvidas no cartel: Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Galvão Engenharia, Iesa, Engevix, Mendes Junior e UTC – e os nomes de seus interlocutores em cada uma delas. As empreiteiras superfaturavam os custos e repassavam até 3% do valor dos contratos para os “agentes políticos”. No caso da diretoria de Abastecimento, comandada por Paulo Roberto Costa, o dinheiro desviado era dividido entre o PT, o PMDB e o PP.

De acordo com as investigações, Costa e Youssef organizaram um esquema de desvio de recursos da estatal para enriquecimento próprio e para abastecer o bolso de políticos e partidos da base aliada. Isso era feito com a assinatura de contratos fictícios, simulando a prestação de serviços entre empresas de fachada e as empreiteiras envolvidas, sempre com a finalidade de dar aparência legítima ao dinheiro desviado. Como revelou VEJA, o ex-diretor Paulo Roberto Costa apontou pelo menos três governadores, um ministro, seis senadores, 25 deputados federais e três partidos políticos (PT, PMDB e PP) como beneficiados pelas verbas desviadas. Eles recebiam 3% de comissão sobre o valor de contratos da petrolífera, de acordo com os depoimentos de Costa prestados no acordo de delação premiada.

Atualizada às 9h15

Prefeito vai reencaminhar projetos culturais

Câmara Municipal receberá novas versões de projetos que estão gerando polêmica no meio cultural

O prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior (PSD) irá reencaminhar para a Câmara Municipal de Mossoró, projetos do setor cultural.

Os projetos ganharão novas redações, conforme informação do presidente eleito da Câmara Municipal, vereador Jório Nogueira (PSD).

A informação foi confirmada pela secretária de Cultura, Isolda.

Aguarda os detalhes.

Videocast Antenado: Francisco José Júnior

Prefeito de Mossoró faz balanço sobre contatos em Brasília

Prefeito Francisco José Júnior faz balanço sobre agenda em Brasília – Foto e vídeo: iPad Skarlack

Ao retomar sua agenda administrativa, na Praça da UPA do Alto de São Manoel, nesta quinta-feira, 13, o prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior (PSD) fez um balanço sobre sua viagem ao Distrito Federal.

Em Brasília, o prefeito encaminhou alguns benefícios para o município, além de ter tido um contato pessoal com a presidente da República, Dilma Rousseff.

Veja o vídeo: