A Igreja em silêncio sobre o pedido de prisão do padre Robson

Mais uma vez, CNBB e Arquidiocese de Goiânia nada têm a dizer ao povo católico sobre situação delicada envolvendo um dos religiosos mais famosos do país
A Igreja em silêncio sobre o pedido de prisão do padre Robson

Como noticiamos, a Polícia Federal enviou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) um pedido de prisão preventiva contra o padre Robson de Oliveira Pereira (foto), que foi reitor do Santuário Divino Pai Eterno, em Trindade, município de Goiás.

Padre Robson é um “fenômeno”, um  dos chamados “padres pop” de maior sucesso. À frente da segunda maior basílica do país, seu trabalho atraía milhões de fiéis todos os anos. A ordem religiosa dele é a mesma que administra a Basílica de Aparecida, no interior de São Paulo.

De novo, a Igreja opta pelo silêncio, alegando “cautela” e “precaução”.

Como ocorre desde o início de todos esses escândalos, a CNBB limita-se a dizer que a Arquidiocese de Goiânia é a responsável pelo assunto. Já a Arquidiocese de Goiânia, por sua vez, para surpresa de ninguém, repete a O Antagonista que, “no momento, não iremos nos pronunciar”.

Por favor, releia clicando aqui o que escrevemos em fevereiro sobre o silêncio da Igreja nesse caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − 5 =