Edição extra do ‘Diário Oficial’ publica exoneração de Weintraub do Ministério da Educação

Exoneração foi publicada pouco depois da notícia de que o ex-ministro tinha desembarcado nos Estados Unidos

Imagem

O “Diário Oficial da União” publicou em edição extra pouco antes das 12h deste sábado (20) a exoneração, a pedido, de Abraham Weintraub do cargo de ministro da Educação.

A versão eletrônica da publicação foi ao ar pouco depois de divulgada a informação de que Weintraub havia chegado aos Estados Unidos.

Segundo a assessoria do Ministério da Educação, Abraham Weintraub chegou na manhã deste sábado (20) a Miami.

Pouco antes, o irmão do ministro, Arthur Weintraub, assessor especial da Presidência da República, já havia publicado mensagem em rede social na qual afirmava que ele havia deixado o país: “Obrigado a todos pelas orações e apoio. Meu irmão está nos EUA”.

Em um vídeo ao lado do presidente Jair Bolsonaro, Weintraub anunciou na última quinta-feira (18) que deixou o governo e assumirá um cargo de diretor no Banco Mundial. Embora a demissão tenha sido anunciada, a exoneração do ministro ainda não foi publicada no “Diário Oficial da União”.

Como ministro de Estado, Weintraub tem passaporte diplomático, o que facilita o acesso a outros países, mesmo com as restrições motivadas pela pandemia do novo coronavírus.

Weintraub é investigado em inquérito que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) e apura a disseminação de fake news e ameaças a ministros do tribunal. Em reunião ministerial em 22 de abril, ele afirmou: “‘Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF”.

O ministro da Educação foi incluído no inquérito pelo relator, ministro Alexandre de Moraes, em razão das ofensas ao Supremo. O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, pediu a retirada de Weintraub do inquérito, por meio de um pedido de habeas corpus, mas, na quarta (17), por 9 votos a 1, o STF rejeitou.

Ele também responde a outro inquérito no Supremo, este a pedido da Procuradoria Geral da República, para apurar suposto crime de racismo. Em abril, Weintraub publicou mensagem em uma rede social indicando que a China poderia se beneficiar, de propósito, da crise do coronavírus. Na mesma postagem, ele ridicularizou o fato de alguns chineses, quando falam português, trocarem a letra R pela letra L.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 + 3 =