Dono da Nassau de Mossoró, Grupo João Santos poderá decretar falência

Familiares de João Santos travam intensa “batalha” por controle de empresas, espalhadas por cidades do Nordeste

POR GUTEMBERG MOURA

Nassau de Mossoró

Com o título “A decadência de um império: Grupo João Santos à beira da falência”, o portal Goiana Notícias (www.goiananoticias.com), editado na cidade pernambucana de Goiana, conta a trajetória de decadência do grupo empresarial João Santos. O grupo é detentor da marca de cimento Nassau, dispondo de uma fábrica em Mossoró (RN).

De acordo com a reportagem, depois da morte do empresário João Santos, em 2009, iniciou-se uma intensa disputa familiar pelas empresas por parte de seus filhos, irmãos e netos. A “briga” pela herança pôs o destino das empresas (fábricas de cimento, usina de açúcar, etc…) em segundo plano, resultando na decadência do império econômico.

Uma série de problemas afeta as empresas do grupo: atraso de salários dos empregados, desvalorização dos preços de seus produtos e o atraso tecnológico, já que as fábricas do conglomerado têm plataformas antigas e longe dos padrões tecnológicos atuais. A tendência é que o Grupo João Santos venha decretar falência de suas unidades.

Nassau – A empresa faz “mistério” sobre a situação de sua fábrica em Mossoró, mas a unidade enfrenta uma forte concorrência de outras empresas cimenteiras instaladas na região, como por exemplo, a fábrica da MIzu, em Baraúna, presente no mercado regional. Pagamentos de indenizações judiciais também comprometem as empresas.

Fonte: www.gutembergmoura.com.br

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

EM APODI ESTUDANTE 12 ANOS MORRE ENFORCADA QUANDO BRINCAVA EM UMA REDE

TAMBÉM NA NOITE DESTA QUINTA-FEIRA UM EX-PRESIDIÁRIO FOI MORTO A TIROS EM APODI 

POR JÂNIO SOARES

APODIÁRIO

A noite desta quinta-feira, 5, foi marcada por uma tragédia e um homicídio, no município de Apodi-RN.

TRAGÉGIA

Foto: APODIÁRIO

A estudante Karla Eduarda, de 12 anos, morreu enforcada no início da noite desta quinta-feira (05) enquanto brincava em uma rede. A fatalidade aconteceu na cidade de Apodi, na região Oeste do Rio Grande do Norte.

Segundo testemunhas, ela costumava brincar se enrolando na rede e, provavelmente, teria se enganchado nos punhos. No momento, ela estava sozinha.

Karla Eduarda foi encontrada pela mãe, que a levou ao hospital da cidade, mas não resistiu. O corpo será conduzido ao ITEP, para ser periciado.

O caso será investigado pela Polícia Civil do município.

A jovem estudava o 6º ano na Escola Municipal Professora Lourdes Mota, em Apodi. Sua morte causou comoção nas redes sociais, pela forma como aconteceu.

HOMICÍDIO

Foto: APODIÁRIO

O preso de Justiça John Wellington de Lima Souza, de 24 anos, foi morto a tiros na noite desta quinta-feira (05) no Centro da cidade de Apodi, no interior do Rio Grande do Norte. 
O crime aconteceu ao lado de uma lanchonete bastante movimentada. John Welligton cumpria pena no regime aberto por furto e ameaça. 
Ele é irmão do Antônio Renato Moreira de Sousa Filho, o “Renatinho” de 20 anos, que será julgado nestasexta-feira (06) por roubar e matar um comerciante no ano passado.

 

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

ESPAÇO DO GIVA

POSSE DE ISAURA AMÉLIA NO GOVERNO TERÁ DESDOBRAMENTOS NA POLÍTICA DE MOSSORÓ

POR GIVANILDO SILVA

Givanildo Silva II

A professora Isaura Rosado, cunhada da doutora Rosalba, comandará a Fundação José Augusto, volta ao governo do Estado.

Em Mossoró, desdobramentos, certamente, à próxima sucessão municipal, com o alinhamento de PP e PSD, formalmente, reiterado.

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

Afastado pelo STF, Cunha fala em retaliação política pelo impeachment

‘O PT sempre quis me levar com eles para o banco dos réus’, afirmou o agora ex-presidente da Câmara

POR VEJA

Eduardo Cunha (PMDB-RJ) concede entrevista coletiva em sua residência oficial, em Brasília (DF), sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de afastá-lo da presidência da Câmara e também suspender seu mandato eletivo como deputado federal - 05/05/2016

Ao comentar na noite desta quinta-feira a decisão do Supremo Tribunal Federal que o afastou do mandato de deputado e, por consequência, da presidência da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) falou em “retaliação política” por ter concordado com o pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff e conduzido a votação que culminou na aceitação do processo pela Casa. “Era óbvio que o fato de eu ter conduzido a votação teria uma reação. O PT sempre quis me levar com eles para o banco dos réus”, afirmou.

Ele disse que respeita o STF, mas que “não pode deixar de contestar e estranhar” a decisão. “Há pontos a ser contestados com muita veemência”, afirmou. São “pontos muito graves que têm de ser colocados com muitos detalhes”.

Cunha afirmou que estranha o fato de que o pedido de afastamento protocolado em dezembro do ano passado pela Procuradoria-Geral da República só tenha sido analisado agora – após uma decisão tomada nesta madrugada pelo ministro Zavascki. “Não havia urgência até agora. Somente seis meses depois a questão foi analisada, com base em um voto proferido na madrugada e sem tempo para o devido contraditório”, afirmou.

O peemedebista disse que vai recorrer da decisão, que classificou como uma “nítida interferência” no Legislativo. Ao citar um “processo político” por trás da votação do STF, Cunha afirmou: “Na quarta-feira que vem nós vamos dizer antes tarde do que nunca o Brasil vai poder se livrar do PT”.

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

Fitch rebaixa novamente a nota de crédito do Brasil

Corte do rating brasileiro ocorre menos de cinco meses depois de a agência tirar do país o selo internacional de bom pagador

POR VEJA

Site da agência de risco Fitch

A agência de classificação de risco Fitch rebaixou nesta quinta-feira a nota de crédito soberano do Brasil para “BB”. Com isso, o rating do país mergulha ainda mais dentro do chamado grau especulativo, no qual estão empresas e países considerados mais arriscados para os investidores.

No anúncio, a Fitch informou que a perspectiva para a nota brasileira é negativa. Isso significa que novas revisões para baixo poderão ocorrer nos próximos meses.

Entre outros motivos para o corte, a Fitch citou a contração maior que a esperada da economia brasileira, a situação problemática das contas públicas e mudanças recorrentes nas metas fiscais, que minam a credibilidade dos investidores nas medidas tomadas pelo governo para reduzir o rombo das contas.

O anúncio da Fitch ocorre menos de cinco meses depois de a agência deixar de considerar o Brasilinvestment grade, selo dado a empresas e países considerados mais seguros para os investidores. A nota atual está dois níveis abaixo do patamar investment grade na escala da agência.

Todas as três principais agências de classificação de risco já tiraram do Brasil o selo de bom pagador. A primeira foi a Standard & Poor’s, em setembro do ano passado. Na sequência vieram a Fitch, em dezembro, e a Moody’s, em fevereiro deste ano.

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

A TURMA DA FANFARRA COM O DINHEIRO PÚBLICO NA CÂMARA MUNICIPAL DE MOSSORÓ VAI RECORRER?

VÃO INSISTIR NA BRINCADEIRA COM A VERBA DE GABINETE?

Cardápio

Atenção, o Velho Apache Antenado quer saber:

– Os caríssimos que queriam continuar a fanfarra com dinheiro da verba de gabinete na Câmara Municipal de Mossoró, não irão recorrer da decisão do juiz Pedro Cordeiro?

O povo quer saber!!

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

Por unanimidade, STF afasta Eduardo Cunha da presidência da Câmara

Mandato de Cunha também foi suspenso pelo STF

POR UOL

Eduardo Cunha (dir.) participa da abertura do ano judiciário no STF em 2015, ao lado de Ricardo Lewandowski

Eduardo Cunha (dir.) participa da abertura do ano judiciário no STF em 2015, ao lado de Ricardo Lewandowski

Os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiram nesta quinta-feira (5), por unanimidade, suspender o mandato do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e afastá-lo da presidência da Câmara dos Deputados quase cinco meses após o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Todos os 11 ministros da Corte votaram contra Cunha. A decisão do STF mantém umaliminar expedida na manhã desta quinta-feira pelo ministro Teori Zavascki. Cunha é réu de um processo no STF por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro por acusação de ter recebido US$ 5 milhões em propina do esquema investigado pela Operação Lava Jato.

O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, justificou a demora da Corte em colocar o julgamento em pauta. “O tempo do Judiciário não é o tempo da política e nem é o tempo da mídia. Temos ritos, procedimentos e prazos que devemos observar”, declarou. “Não há qualquer ingerência no Poder Legislativo. Estamos atuando dentro dos lindes de nossa competência e nossa ação jurisdicional”, disse.Aliados de Cunha haviam dito que a decisão do STF seria uma intervenção do Judiciário em assuntos da Câmara.

O afastamento de Cunha do cargo atendeu a um pedido feito pela PGR (Procuradoria-Geral da República) em dezembro do ano passado. Segundo a PGR, Cunha utilizava a posição de presidente da Câmara para obstruir investigações contra ele realizadas pela Operação Lava Jato. O pedido feito pela PGR citou 11 pontos que, segundo o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, justificam o afastamento de Cunha.

Entre os pontos citados por Janot estão a convocação da advogada Beatriz Catta Preta para depor na CPI da Petrobras e as ameaças e ofertas de propina ao ex-relator do processo por quebra de decoro parlamentar contra Cunha no Conselho de Ética da Câmara.

Em sua decisão liminar, Teori afirmou que a permanência de Cunha no cargo “além de representar um risco para as investigações penais sediadas neste Supremo Tribunal Federal, é um pejorativo que conspira contra a própria dignidade da instituição por ele liderada”.

O 1º vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), assumiu a presidência da Câmara interinamente. Ele é um dos políticos investigados pela Operação Lava Jato e é um conhecido aliado de Cunha.

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

OAB de Mossoró informa

Sobre interação virtual 

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

Maioria dos ministros do STF vota para afastar Cunha da Câmara

Edson Fachim, Luis Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Dias Toffoli, Camen Lúcia e Gilmar Mendes acompanham o voto do relator

POR O GLOBO

A maioria do plenário do Supremo Tribunal Federal acompanha o voto de Teori Zavascki. Já se pronunciaram seis ministros, além do relator do processo.

A ministra Cármen Lúcia, futura presidente do STF, ressaltou que a Corte defende e guarda não apenas a constituição, mas também a própria Câmara.

Ela e Dias Toffoli enfatizaram que o caso em pauta é uma decisão pontual e individualizada.

Algum ministro ainda pode pedir vista do processo, o que interromperia seu julgamento.

Em instantes o resultado final da votação.

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+

UM DILMA APÓS O OUTRO

HUMOR E VERDADE

POR AGAMENON MENDES PEREIRA

Dilmabolada

Na bica de perder o emprego de presidenta, Dilma Roskoff já entrou na fila do Minha Casa Minha Vida. Desde que a casa seja o Palácio da Alvorada, é claro

O Brasil está mais parado que o meu Dodge Dart 73, enferrujado, onde vivo ao lado de Isaura, a minha patroa, que, ao contrário da mulher do Temer, não é bela, recatada e nem do lar. Já a presidanta Zika Rousseff passa os dias solitária no seu bunker do Alvorada, que deveria mudar de nome para Palácio da Revoada. Todo mundo está se mandando dali: Jacques Wagner arrumou um emprego de pai de santo em Salvador e Merdinho Silva vai voltar para onde veio, isto é, lugar nenhum.

 

Ninguém quer mais saber da gerentona mandona que metia o bedelho em tudo. Hoje em Dilma, a presidenta não manda mais p*!#*** orra nenhuma. Outro Dilma mesmo ela pediu para tomar um cafezinho e o mordomo, desbocado e petulante, mandou a quase futura ex-presidanta tomar na AGU. Mas o que deixou mesmo a Dilma bolada é que ela recebeu um bilhete azul para comparecer ao Departamento de Recursos Humanos semana que vem.

O desemprego que assola o Brasil (e que começou pela minha pessoa), finalmente chegou a Brasília. Quem também “partiu para novos desafios” foi o ex-presidente da Câmara, Dedurado Chicuncunha. Partir para novos desafios é o eufemismo atual para quem é demitido do emprego. E o deputado Enrolado Cunha realmente tem pela frente grandes desafios. O primeiro desafio vai ser explicar aquela grana toda que ele tem na Suíça e que ele diz que não tem. Igual ao Lula que não tem o sítio em Atibaia, não tem tríplex no Guarujá e também não tem vergonha na cara.

Com o fim do Reich petista, os companheiros que ainda não foram em cana estão torcendo para serem presos o quanto antes. Pelo menos, na carceragem da Polícia Federal ou na Papuda eles têm garantido casa, comida e roupa listrada lavada.

E receba mais coluna, curta e me mande uma mensagem no Facebookhttps://www.facebook.com/agamenonreal/

Fonte: www.oantagonista.com

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+