“Estou sendo o Governador de Mossoró”, afirma Robinson Faria em entrevista

Robinson Faria cumpre agenda em Mossoró 

POR O MOSSOROENSE.COM.BR

Em entrevista na rádio FM 93 na manhã desta segunda-feira, 16 de abril, o governador Robinson Faria afirmou que tem cumprido a promessa de que seria “o Governador de Mossoró”, cidade decisiva na vitória dele na campanha de 2014. Durante a participação no programa Show 93, o gestor respondeu perguntas, elencou obras realizadas no município, informou que irá visitar a cidade e falou sobre a possibilidade de se candidatar à reeleição.

“Estou sendo o Governador de Mossoró. Comprei 25 bombas para nunca mais faltar água em nenhum bairro de Mossoró, furei dois poços profundos e vou furar mais cinco. Estou concluindo as obras na Adutora Gerônimo Rosado. Depois do meu governo, nunca mais vai faltar água na cidade de Mossoró. Deixei aqui R$ 3 milhões em microcrédito, criei o escritório do empreendedor e dei início à construção de fábrica de polpas de frutas para os agricultores. O Ronda Integrada, da Segurança, eu comecei primeiro em Mossoró, só depois que foi iniciado em Natal”, disse Robinson Faria.

O governador anunciou ainda que deverá voltar à cidade novamente para acompanhar o início dos voos da Azul no Aeroporto Dix-Sept Rosado, programado para o dia 13 de junho deste ano.

“A certificação do Aeroporto de Mossoró pela ANAC foi uma conquista muito importante. Vou vir no primeiro voo da Azul em Mossoró e não tenho dúvidas de que a quantidade de voos na cidade será ampliada depois do início da operação da companhia em Mossoró”, contou.

Além do início de operações de voos comerciais no Aeroporto Dix-Sept Rosado, Robinson declarou que a cidade irá contar mais um Restaurante Popular, o terceiro de sua gestão, que será construído no Conjunto Abolição I. A obra, informou, está sendo licitado e deverá começar ainda este ano.

Governador afirma que Folha Salarial deve ser normalizada nos próximos meses

Na entrevista, o governador falou ainda sobre temas como o pagamento da folha salarial, afirmando que, até esta segunda-feira, 90% dos servidores receberam o salário e os pagamentos devem ser normalizados nos próximos meses.

Sobre a possibilidade de candidatura à reeleição em outubro, o governador afirmou que tomará a decisão a partir do que ouvir do povo nas ruas.

“Quem me ajudou na eleição de 2014 foi a cidade de Mossoró. Minha decisão [sobre a reeleição] eu vou decidir nas ruas. Se eu ver que há condições, eu me candidato, mas se achar que já cumpri minha missão, não me candidatarei”, disse.

Por fim, Robinson Faria informou que mandou sua equipe elaborar uma cartilha voltada para Mossoró, listando as obras que o Governo do Estado realizou na cidade durante sua gestão. O material deverá ser entregue nas casas, nas ruas e comércios. “Mesmo na crise eu fiz muito por Mossoró”, disse o governador.

Presidência do TJRN afirma que não vai pagar licenças-prêmio não usufruídas por juízes

TJRN emite nota oficial 

Nota oficial da Presidência do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte, emitida no início da tarde desta segunda-feira (16), nega que o TJRN pretende realizar pagamento de licença-prêmio aos juízes, retroativo a 1996, conforme noticiada pelo imprensa local e nacional.

Diante da repercussão negativa da notícia, em que, se levado a termo, o benefício chegaria para alguns juízes com valores de até R$ 365 mil (VEJA AQUI), a Presidência do TJRN decidiu emitir nota esclarecendo sobre o caso.

De acordo com a nota, uma portaria publicada hoje determina o indeferimento e arquivamento de todos os requerimentos de concessão de licença-prêmio e/ou conversão em pecúnia de período de licença-prêmio não usufruídos pelos membros do Poder Judiciário do RN.

Segundo a nota, “a medida prevalece até o julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 1059466 pelo Supremo Tribunal Federal.”

Leia a nota na íntegra:

“O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte não vai realizar o pagamento de licenças-prêmio não usufruídas por magistrados do Poder Judiciário potiguar. A Portaria 506/2018 da Presidência do TJRN, publicada, nesta segunda-feira (16), determina o indeferimento e arquivamento de todos os requerimentos de concessão de licença-prêmio e/ou conversão em pecúnia de períodos de licença-prêmio não usufruídos pelos membros do Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Norte. A medida prevalece até o julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 1059466 pelo Supremo Tribunal Federal.

A Resolução 11/2018-TJ, aprovada pelo Corte Estadual de Justiça em 11 de abril, disciplinou a concessão de licença-prêmio para membros da magistratura. O texto apenas normatiza requisitos diante dos quais magistrados podem requerer a transformação da licença-prêmio em pecúnia, inclusive quanto ao tempo. A medida observa a legislação estadual vigente e uma situação que carecia de regulamentação. Esse usufruto quando ocorrer, atenderá à norma legal estabelecida.

A Resolução, portanto, detalha o disposto no § 15 do artigo 107 da Lei Complementar Estadual nº 165, de 28 de abril de 1999, com a redação dada pelo art. 2º da Lei Complementar Estadual nº 606, de 11 de dezembro de 2017. E também leva em consideração o previsto no artigo 191 da Lei Complementar Estadual nº 141, de 09 de fevereiro de 1996.

Vale ressaltar que o Tribunal de Justiça do Rio do Norte editou a Portaria 84/2018, de 26 de janeiro deste ano, que estabelece a contenção de gastos no Poder Judiciário potiguar. Neste momento, não está em pauta a possibilidade dessa conversão.

Esta norma suspende, até posterior determinação, os pagamentos de conversão de férias e/ou licença-prêmio em pecúnia de magistrados e servidores da Justiça potiguar.

A resolução aprovada pela Corte tratou de regulamentar uma situação legal, prevista na legislação estadual.

O usufruto da pecúnia não integra prioridades ou meta da Presidência do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte.

PRESIDÊNCIA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE.”

Câmara Cidadã vai se instalar no bairro Barrocas, quarta, com várias atividades

No manhã da manhã, os vereadores participam de uma sessão ordinária, quanto durante o dia serão realizadas ações sociais, entre outras

 

A Câmara Municipal de Mossoró realizará a 5ª edição do projeto Câmara Cidadã,     quarta-feira (18), às 8h, na Escola Municipal Celina Guimarães Viana, bairro Barrocas. A iniciativa descentraliza os trabalhos do Legislativo, que se instala em bairros e comunidades rurais e se aproxima ainda mais da população mossoroense.
Na Escola Municipal Celina Guimarães Viana, haverá sessão ordinária, às 9h, com debate dos vereadores, discussão e votação de proposições. E oferecimento de serviços de utilidade pública gratuitamente aos moradores, em parceria com a Fundação Aldenor Nogueira e demais parceiros do Câmara Cidadã.
Das 8h às 16h, haverá corte de cabelo, assistência social, atendimento psicológico, fotos 3 x 4, orientações jurídicas (Uern), orientações sobre casamento coletivo (que será realizado em 13 de junho), palestra sobre empreendedorismo (Sebrae).
A 5ª Câmara Cidadã também oferecerá cursos rápidos Segurança no Trabalho,  Mecânica e  Finanças pessoais (ministrados pelo Senai e com certificado), cadastro para vagas de emprego e jovem aprendiz, passe livre interestadual para idoso; Cartão Sus, Cadastro Único e serviços de saúde, como informação nutricional, aferição de pressão e glicose, aplicação de flúor e vacinas.
“Todos os moradores são convidados a participar desse momento de cidadania, pois, além de acompanhar mais de perto o trabalho dos vereadores e discutir temas específicos da comunidade, vão ter à disposição serviços de grande importância”, destaca a presidente da Câmara Municipal, Izabel Montenegro.
Na mais recente edição do projeto, no último dia 21 de março, na Escola Estadual Dr. Ewerton Dantas Cortez, bairro Planalto13 de Maio, o Câmara Cidadã realizou 577 atendimentos gratuitos nas áreas jurídica, previdenciária, saúde, empreendedorismo, social, entre outras.

Doria tem 29%, Skaf, 20%, e Márcio França, 8%, aponta Datafolha para SP em 2018

Pesquisa sobre eleição para governador de São Paulo em 2018 tem margem de erro de 2%

Uma pesquisa do Instituto Datafolha foi divulgada nesta segunda-feira (16) pelo jornal “Folha de S.Paulo” com índices de intenção de voto para o primeiro turno da eleição para governador de São Paulo de 2018.

O Datafolha ouviu 1.954 entrevistados em 68 cidades do estado de SP entre 11 e 13 de abril. A pesquisa tem margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Veja os resultados dos 2 cenários pesquisados:

Cenário 1 (com Doria, Skaf, Márcio França e Luiz Marinho):

  • João Doria (PSDB): 29%
  • Paulo Skaf (MDB): 20%
  • Marcio França (PSB): 8%
  • Luiz Marinho (PT): 7%
  • Rogério Chequer (Partido Novo): 2%
  • Lisete Arelaro (PSOL): 1%
  • Alexandre Zeitune (REDE): 1%
  • Em branco/nulo/nenhum: 26%
  • Não sabe: 5%

Cenário 2 (sem Paulo Skaf):

  • João Doria (PSDB): 36%
  • Marcio França (PSB): 10%
  • Luiz Marinho (PT): 9%
  • Rogério Chequer (Partido Novo): 3%
  • Lisete Arelaro (PSOL): 2%
  • Alexandre Zeitune (REDE): 2%
  • Em branco/nulo/nenhum: 32%
  • Não sabe: 6%

Rejeição no 1º turno

O Datafolha também questinou em quem os entrevistados não votariam no primeiro turno. Veja os números:

  • Paulo Skaf (MDB): 34%
  • João Doria (PSDB): 33%
  • Luiz Marinho (PT): 27%
  • Marcio França (PSB): 22%
  • Rogério Chequer (PARTIDO NOVO): 21%
  • Lisete Arelaro (PSOL): 20%
  • Alexandre Zeitune (REDE): 19%
  • Rejeita todos/não votaria em nenhum: 10%
  • Votaria em qualquer um/não rejeita nenhum: 3%
  • Não sabe: 7%

DATAFOLHA: BOLSONARO LIDERA CENÁRIOS SEM LULA NA DISPUTA

CONFIRA DADOS DA PESQUISA DIVULGADA PELO JORNAL FOLHA

Cenário 4 (Se o PT lançar Fernando Haddad no lugar de Lula; Temer fcar fora da eleição; e o MDB lançar Meirelles):

  • Jair Bolsonaro (PSL): 17%
  • Marina Silva (Rede): 15%
  • Ciro Gomes (PDT): 9%
  • Joaquim Barbosa (PSB): 9%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 7%
  • Alvaro Dias (Podemos): 5%
  • Manuela D’Ávila (PC do B): 2%
  • Fernando Haddad (PT): 2%
  • Fernando Collor de Mello (PTC): 2%
  • Rodrigo Maia (DEM): 1%
  • Flávio Rocha (PRB): 1%
  • Henrique Meirelles (MDB): 1%
  • João Amoêdo (Novo): 1%
  • Paulo Rabello de Castro (PSC): 0
  • Guilherme Boulos (PSOL): 0
  • Guilherme Afif Domingos (PSD): 0
  • Em branco / nulo / nenhum: 23%
  • Não sabe: 3%

Cenário 5 (Se o PT lançar Fernando Haddad no lugar de Lula; Temer concorrer à reeleição; e Meirelles não disputar):

  • Jair Bolsonaro (PSL): 17%
  • Marina Silva (Rede): 15%
  • Joaquim Barbosa (PSB): 9%
  • Ciro Gomes (PDT): 9%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 7%
  • Alvaro Dias (Podemos): 4%
  • Manuela D’Ávila (PC do B): 2%
  • Fernando Collor de Mello (PTC): 2%
  • Fernando Haddad (PT): 2%
  • Michel Temer (MDB): 2%
  • Rodrigo Maia (DEM): 1%
  • Flávio Rocha (PRB): 1%
  • João Amoêdo (Novo): 1%
  • Guilherme Boulos (PSOL): 1%
  • Paulo Rabello de Castro (PSC): 0
  • Guilherme Afif Domingos (PSD): 0
  • Em branco / nulo / nenhum: 24%
  • Não sabe: 4%

Cenário 6 (Se o PT lançar Fernando Haddad no lugar de Lula, e Temer, Meirelles, Rodrigo Maia e Flávio Rocha ficarem fora da eleição):

  • Jair Bolsonaro (PSL): 17%
  • Marina Silva (Rede): 15%
  • Joaquim Barbosa (PSB): 10%
  • Ciro Gomes (PDT): 9%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 8%
  • Alvaro Dias (Podemos): 5%
  • Manuela D’Ávila (PC do B): 3%
  • Fernando Haddad (PT): 2%
  • Fernando Collor de Mello (PTC): 2%
  • João Amoêdo (Novo): 1%
  • Guilherme Boulos (PSOL): 1%
  • Paulo Rabello de Castro (PSC): 1%
  • Guilherme Afif Domingos (PSD): 0
  • Em branco / nulo / nenhum: 23%
  • Não sabe: 4%

Cenário 7 (Se o PT lançar Jaques Wagner no lugar de Lula; Temer ficar fora da eleição; e o MBD lançar Meirelles):

  • Jair Bolsonaro (PSL): 17%
  • Marina Silva (Rede): 15%
  • Joaquim Barbosa (PSB): 9%
  • Ciro Gomes (PDT): 9%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 8%
  • Alvaro Dias (Podemos): 4%
  • Manuela D’Ávila (PC do B): 3%
  • Fernando Collor de Mello (PTC): 2%
  • Rodrigo Maia (DEM): 1%
  • Henrique Meirelles (MDB): 1%
  • Jaques Wagner (PT): 1%
  • Flávio Rocha (PRB): 1%
  • João Amoêdo (Novo): 1%
  • Guilherme Boulos (PSOL): 1%
  • Paulo Rabello de Castro (PSC): 0
  • Guilherme Afif Domingos (PSD): 0
  • Em branco / nulo / nenhum: 23%
  • Não sabe: 4%

Cenário 8 (Se o PT lançar Jaques Wagner no lugar de Lula; Temer concorrer à reeleição; e Meirelles não disputar):

  • Jair Bolsonaro (PSL): 17%
  • Marina Silva (Rede): 15%
  • Joaquim Barbosa (PSB): 9%
  • Ciro Gomes (PDT): 9%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 7%
  • Alvaro Dias (Podemos): 4%
  • Manuela D’Ávila (PC do B): 2%
  • Fernando Collor de Mello (PTC): 2%
  • Rodrigo Maia (DEM): 1%
  • Michel Temer (MDB): 1%
  • Flávio Rocha (PRB): 1%
  • Jaques Wagner (PT): 1%
  • João Amoêdo (Novo): 1%
  • Paulo Rabello de Castro (PSC): 0
  • Guilherme Boulos (PSOL): 0
  • Guilherme Afif Domingos (PSD): 0
  • Em branco / nulo / nenhum: 23%
  • Não sabe: 3%

DATAFOLHA: TRÊS CENÁRIOS COM LULA NA DISPUTA

LULA LIDERA E JAIR BOLSONORO EM SEGUNDO 

uma pesquisa do Instituto Datafolha foi divulgada neste domingo (15) pelo jornal “Folha de S.Paulo” com índices de intenção de voto para a eleição presidencial de 2018. Foram feitas mais de 4.194 entrevistas entre 11 e 13 de abril. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Veja os resultados dos três cenários pesquisados com o líder do PT, Lula, hoje presidiário, na disputa:

Cenário 1 (Se Lula for candidato, Temer ficar fora da eleição e o MDB lançar Meirelles):

  • Lula (PT): 31%
  • Jair Bolsonaro (PSL): 15%
  • Marina Silva (Rede): 10%
  • Joaquim Barbosa (PSB): 8%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 6%
  • Ciro Gomes (PDT): 5%
  • Alvaro Dias (Podemos): 3%
  • Manuela D’Ávila (PC do B): 2%
  • Fernando Collor de Mello (PTC): 1%
  • Rodrigo Maia (DEM): 1%
  • Henrique Meirelles (MDB): 1%
  • Flávio Rocha (PRB): 1%
  • João Amoêdo (Novo): 0
  • Paulo Rabello de Castro (PSC): 0
  • Guilherme Boulos (PSOL): 0
  • Guilherme Afif Domingos (PSD): 0
  • Em branco / nulo / nenhum: 13%
  • Não sabe: 3%

Cenário 2 (Se Lula for candidato, Temer concorrer à reeleição e Meirelles não disputar):

  • Lula (PT): 30%
  • Jair Bolsonaro (PSL): 15%
  • Marina Silva (Rede): 10%
  • Joaquim Barbosa (PSB): 8%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 6%
  • Ciro Gomes (PDT): 5%
  • Alvaro Dias (Podemos): 3%
  • Manuela D’Ávila (PC do B): 1%
  • Fernando Collor de Mello (PTC): 1%
  • Rodrigo Maia (DEM): 1%
  • Michel Temer (MDB): 1%
  • Flávio Rocha (PRB): 1%
  • Paulo Rabello de Castro (PSC): 1%
  • João Amoêdo (Novo): 0
  • Guilherme Boulos (PSOL): 0
  • Guilherme Afif Domingos (PSD): 0
  • Em branco / nulo / nenhum: 14%
  • Não sabe: 2%

Cenário 3 (Se Lula for candidato, e Temer, Meirelles, Rodrigo Maia e Flávio Rocha fciarem fora da eleição):

  • Lula (PT): 31%
  • Jair Bolsonaro (PSL): 16%
  • Marina Silva (Rede): 10%
  • Joaquim Barbosa (PSB): 8%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 6%
  • Ciro Gomes (PDT): 5%
  • Alvaro Dias (Podemos): 4%
  • Manuela D’Ávila (PC do B): 2%
  • Fernando Collor de Mello (PTC): 1%
  • João Amoêdo (Novo): 1%
  • Paulo Rabello de Castro (PSC): 0
  • Guilherme Boulos (PSOL): 0
  • Guilherme Afif Domingos (PSD): 0
  • Em branco / nulo / nenhum: 13%
  • Não sabe: 2%

DATAFOLHA: ELEITOR-PÊNDULO CRESCE APÓS PRISÃO DE LULA

GRUPOS EXTREMOS CAEM EM PESQUISA 

POR FOLHA DE SÃO PAULO

Um resultado que bem representa o impacto da prisão de Lula sobre o cenário eleitoral deste ano está nos dados da primeira pergunta aplicada pelos pesquisadores do Datafolha junto aos eleitores brasileiros na última semana.

Nas respostas espontâneas, sem o estímulo do cartão que apresenta os nomes dos candidatos, menções ao ex-presidente caem quatro pontos percentuais em relação ao levantamento de janeiro. 

 

 

DATAFOLHA: MAIORIA VÊ COMO JUSTA PRISÃO DE LULA

OPINIÃO É DE 54% DOS ELEITORES OUVIDOS PELO DATAFOLHA 

POR FOLHA DE SÃO PAULO

A prisão do líder petista Lula no último dia 7  foi justa e ele não irá disputar a eleição ao Planalto este ano, avalia a maioria das pessoas ouvidas na pesquisa do Datafolha.

Os entrevistados, no entanto, se dividem quando questionados se Lula deveria concorrer à eleição ou impedido de fazer campanha à Presidência.

Esta é a primeira pesquisa feita após o petista começar a cumprir pena na sede da Polícia Federal em Curitiba.

Segundo o levantamento, 54% das pessoas veem a prisão de Lula como justa.

Para 62% dos eleitores Lula não estará nas urnas na eleição de outubro, segundo o Datafolha.

DATAFOLHA: PRISÃO ENFRAQUECE LULA

BOLSONARO LIDERA 

POR FOLHA DE SÃO PAULO

A prisão diminui o apoio do eleitorado ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT), aumentou a desconfiança sobre a viabilidade de sua candidatura presidencial e manteve indefinida a disputa por seu espólio eleitoral, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada neste domingo, 15.

Pesquisa nacional realizada pelo instituto na semana passada aponta o petista com 31% das intenções de voto no cenário mais favorável entre nove pesquisados.

No fim de janeiro, quando o levantamento anterior do Datafolha foi concluído, Lula tinha 37% das preferências.

A nova pesquisa foi feita entre quarta-feira (11) e sexta-feira (13). Foram realizadas 4.194 entrevistas em 227 municípios.

 

 

DATAFOLHA: MARINA E CIRO SÃO OS QUE MAIS SE BENEFICIAM COM LULA FORA DA DISPUTA

FOLHA DE SÃO PAULO DIVULGA PESQUISA 

FONTE: FOLHA DE SÃO PAULO

Dois de cada três apoiadores do ex-presidente Lula dizem que certamente votariam num candidato indicado por ele se o líder petista ficar fora da corrida presidencial, segundo pesquisa Datafolha.

Mas um terço dos eleitores lulistas se disseram sem candidato quando se viram diante das opções oferecidas nos cenários em que o ex-presidente não participa da eleição.

Eles preferem votar em branco, ou anular o voto, em vez de escolher um outro nome.

A ex-senadora Marina da Silva e o ex-ministro Ciro Gomes são os candidatos que mais se beneficiam com a prisão do líder do PT.

Marina alcança no máximo 20% dos votos lulistas em cenários em que Lula é substituto pelo ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad e o ex-governador da Bahia, Jaques Wagner.

Ciro fica com 15% do espólio lulista no cenário mais favorável para ele, segundo o Datafolha.