QUEM RESTITUIRÁ OS DANOS CAUSADOS PELA “OPERAÇÃO VULCANO”?

PESSOAS HONRADAS TIVERAM SUAS REPUTAÇÕES ATACADAS

Como perguntar não paga imposto, o Velho Apache Antenado gostaria de deixar uma perguntinha no ar:

– Quem será responsabilizado pelos danos morais sofridos pelos 19 arrolados pela desastrosa “Operação Vulcano”? 

(RE)TWITTANDO

ROSA WEBER É DETONADA POR DISCURSO EM DIPLOMAÇÃO 

Rosa Weber deu “aula” de Constituição a Jair Bolsonaro — a mesma Constituição costumeiramente violada pelo tribunal a que ela pertence.

Quem é Rosa Weber para dar lição de moral a alguém? Antes de abrir a boca para falar o que é certo ou errado, ela deveria se lembrar que faz parte do STF, onde desfruta da companhia de Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e outros gigantes da virtude nacional. Porque não se cala ?

Diplomação de . Nosso presidente, agora diplomado, fez um discurso simples, de união, é de agradecimentos. Já a ministra Rosa Weber nos submeteu a uma longa aula de direitos humanos fora de tom e de propósito. Desnecessário. Mas nada tirou o brilho do momento 🇧🇷

ESCÂNDALO: FILHA ACUSA MÍDIUM DE ESTUPRO E PEDE R$ 50 MILHÕES DE INDENIZAÇÃO

É MAIS UMA ACUSAÇÃO CONTRA O CHARLATÃO JOÃO – QUE NÃO TEM NADA DE DEUS

POR O ANTAGONISTA

Uma filha do médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, move contra ele uma ação de reparação por danos morais sofridos em razão de estupro continuado.

O valor da causa é de R$ 50 milhões.

Nos autos, que tramitam em segredo de justiça, a mulher classifica o pai como um homem bruto, cruel, violento.

Procurado pela reportagem, o advogado Marcos Eduardo Cordeiro Bocchini disse que não poderia se manifestar em razão do sigilo.

Uma fonte do MP de Goiás informou que a vítima teria sido violentada quando ainda era menor de idade, o que configuraria estupro de vulnerável.

Embora ela só tenha decidido mover a ação em meados deste ano, os filhos da vítima já processaram João de Deus anteriormente pelo caso, que teria sido encerrado após acordo.

O advogado Alberto Toron, que defende João de Deus, alegou a existência de um vídeo que a filha do médium teria gravado retirando as acusações – mas não o apresentou. Bocchini afirmou desconhecer o material.

JÓRIO NOGUEIRA EMITE NOTA

EX-PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE MOSSORÓ AGRADECE E ESCLARECE POR TER SIDO INOCENTADO PELA JUSTIÇA 

Uma das 19 pessoas que foram vítimas da desastrosa “Operação Vulcano” e, que assim com as demais, foi inocentado pela Justiça, o ex-vereador e ex-presidente da Câmara Municipal de Mossoró, Jório Nogueira, emitiu nota em que agradece e esclarece.

Confira a nota:

NOTA DE AGRADECIMENTO E ESCLARECIMENTO

Com a tranquilidade de quem sempre prezou pelo bem público e de que manteve sempre a honradez e o zelo em todos os mandatos que me foram dados pelo povo, hoje o juiz da 3a Vara Criminal de Mossoró, me inocentou de um processo movido pelo Ministério Público, na operação denominada de “Vulcano”.
Inicialmente, esclareço aos meus amigos e eleitores que sempre acreditaram na minha conduta como homem público de que a justiça foi feita. Não devo e nem temo processo algum enquanto homem público. Mesmo com parcela da imprensa já me acusando antes mesmo da sentença ser prolatada, fiquei em silêncio as atrocidades e hoje posso erguer mais uma vez a minha voz e esclarecer a todos que a minha ficha é e sempre será limpa.
Os desdobramentos da ação mostram isso. Hoje, totalmente inocentado, venho a público esclarecer que como vereador sempre ouvi, trabalhei em conjunto com meus pares, para beneficiar os milhares de irmãos mossoroenses que acreditam na minha voz.
Fica meu agradecimento aos que me apoiaram. Fica meu sentimento de pesar aos que por maldade, colocaram em letras garrafais uma culpa na qual nunca tive. Seguirei da mesma maneira de sempre, com humildade e respeito ao povo trabalhador da terra de Santa Luzia.

Meu muito obrigado.
Jório Nogueira.

OPERAÇÃO VULCANO: UM VERDADEIRO DESASTRE

JUSTIÇA INOCENTA TODOS OS 19 ACUSADOS 

Um verdadeiro desastre.

Assim se pode definir a “Operação Vulcano”

Desastre que atingiu, de uma só vez, lideranças dos setores político e empresarial de Mossoró. 

Tudo, com sob os aplausos de grande parte da chamada mídia da cidade que, com estardalhaço tratou de condenar, sumariamente, cada um e todos os envolvidos.

Deflagrada em 30 de maio de 2012 pela Polícia Federal e o Ministério Público, a operação cumpriu nove mandados de prisão e 20 de busca e apreensão em Mossoró.

A acusação? Uma suposta formação de carte entre empresários do setor de venda de combustíveis da cidade.

Tudo, segundo a vergonhosa suposição, com aval e participação de representantes dos Poderes Executivo e Legislativo.

Ao todo, foram 19 pessoas acusadas.

Nesta segunda-feira, 10, o juiz Cláudio Mendes, decidiu pela absolvição dos últimos 12 arrolados na “Operação Vulcano”:

– Isto posto, com fundamento no artigo 386, inciso VII, do Código de Processo Penal Pátrio, julgo IMPROCEDENTE em sua totalidade a pretensão punitiva estatal materializada na denúncia-crime, em face do que absolvo:

Francisco José Júnior (ex-prefeito)

Jório Nogueira (ex-presidente da Câmara Municipal de Mossoró)

Claudionor Antônio dos Santos (ex-vereador)

Genivan Vale (Ex-vereador)

Robson Paulo Cavalcante (empresário)

Pedro Edilson Leite Júnior (empresário)

Otávio Augusto Ferreira da Silva (empresário)

Sérgio Leite de Souza (empresário)

Carlos Otávio Bessa e Melo (empresário)

 Edvaldo Fagundes de Albuquerque (empresário)

Carlos Jerônimo Dix-sept Rosado Maia

Leonardo Veras do Nascimento

 

 

OPERAÇÃO VULCANO: EM 2017 JUIZ JÁ HAVIA INOCENTADO SUMARIAMENTE SETE ENVOLVIDOS

POLÍTICOS E EMPRESÁRIOS JÁ TINHAM SIDO ABSOLVIDOS SUMARIAMENTE

No dia 30 de maio de 2012, a Polícia Federal e o Ministério Público cumpriram nove mandados de prisão e 20 de busca e apreensão em Mossoró. Era a deflagração da “Operação Vulcano”, que objetivava desvendar um suposto cartel. 

De acordo com a suposição, havia um esquema contra a ordem econômica na comercialização de combustíveis do município de Mossoró.

O suposto esquema envolveria, além de empresários, membros dos Poderes Executivo e Legislativo de Mossoró.

Todavia, depois de muito barulho, com direito a setores da imprensa da cidade já condenando antecipadamente todos envolvidos, nada se constatou do que fora suposto.

Prova cabal é quem no mês de novembro de 2017, o juiz Cláudio Mendes Júnior decidiu pela “absolvição sumária” de sete dos 19 acusados no processo da Operação Vulcano.

Os absolvidos sumariamente, no ano passado, foram a ex-prefeita de Mossoró, Fafá Rosado, o irmão da ex-prefeita, o e ex-chefe da Gabinete da Prefeitura, Gustavo Rosado e os empresários Cyro Renê Maia Fernandes, José Mendes da Silva, Wellington Cavalcante Pinto, José Mendes Filho e Pedro de Oliveira Monteiro Filho.

MINISTÉRIO PÚBLICO INOCENTA ACUSADOS NA OPERAÇÃO VULCANO

Juiz Cláudio Mendes inocenta os 12 acusados na Operação Vulcano 

O juiz Cláudio Mendes Júnior da 3ª Vara Criminal de Mossoró prolatou outra sentença que inocenta 12 réus da “Operação Vulcano”.

A operação foi deflagrada no dia 30 de maio de 2012 em Mossoró.

Foram absolvidos o ex-prefeito, Francisco José Júnior, o ex-vereador e ex-presidente da Câmara Municipal de Mossoró, Jório Nogueira e os ex-vereadores Claudionor Antônio dos Santos e Genivan Vale.

Também, os empresários Robson Paulo Cavalcante, Pedro Edilson Leite Júnior, Otávio Augusto Ferreira da Silva, Sérgio Leite de Souza, Carlos Otávio Bessa e Melo, Edvaldo Fagundes de Albuquerque, Carlos Jerônimo Dix-sept Rosado Maia e o pastor Leonardo Veras do Nascimento.

Todos eram acusados de abuso do poder econômico, formação de quadrilha, além de corrupção ativa e passiva, feitas pelo Ministério Público do RN (MPRN).

Mais detalhes em instantes.

‘Poder popular não precisa mais de intermediação’, diz Bolsonaro no discurso da diplomação

Para presidente eleito, novas tecnologias permitiram relação direta entre eleitor e representantes 

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (10), em discurso na cerimônia de diplomação no Tribunal Superior Eleitoral(TSE), que o poder popular “não precisa mais de intermediação”.

A campanha eleitoral de Bolsonaro se apoiou principalmente nas redes sociais. Ele teve de interromper a campanha de rua devido ao atentado que sofreu e, no horário eleitoral da TV, tinha somente 8 segundos a cada bloco de 12 minutos. Pelas redes sociais, ele fez discursos, pronunciamentos e manifestações tanto em mensagens como por meio de vídeos e transmissões ao vivo.

“O poder popular não precisa mais de intermediação. As novas tecnologias permitiram uma relação direta entre o eleitor e seus representantes. Nesse novo ambiente, a crença na liberdade é a melhor garantia de respeito aos altos ideais que balizam nossa Constituição”, afirmou.

Ao chegar para a cerimônia, o presidente eleito, que é capitão da reserva do Exército, cumprimentou os presentes com uma continência e foi ovacionado por parte da plateia.

Durante o discurso (leia a íntegra ao final desta reportagem), disse que governará para todos, sem distinção, e não somente para os que votaram nele. Agradeceu pelos mais de 57 milhões de votos recebidos no segundo turno das eleições e pediu a “confiança” dos que optaram por outros candidatos.

“Agradeço aos mais de 57 milhões de brasileiros que me honraram com o seu voto. Aos que não me apoiaram, peço a confiança para construirmos juntos um futuro melhor para o nosso país”, disse.

Na opinião do presidente eleito, as diferenças são “inerentes” em sociedades múltiplas e complexas como a brasileira, mas há “ideais” que aproximam os brasileiros.

“A partir de 1º de janeiro serei o presidente de todos, dos 210 milhões de brasileiros. Governarei em benefício de todos sem distinção de origem social, raça, sexo, cor, idade, ou religião”, declarou.

 

EX-PROCURADORA DA AL/RN DETALHA ESQUEMA QUE BURLAVA FOLHA NO LEGISLATIVO

RITA DAS MERCÊS PRESTA DEPOIMENTO NA 6ª VARA CRIMINAL DE NATAL

POR AGORA RN

Em depoimento prestado na 6ª Vara Criminal de Natal, a ex-procuradora da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (ALRN), Rita das Mercês Reinaldo, detalhou como funcionava o suposto esquema para burlar a folha de pagamento do Poder Legislativo estadual.

Delatora do esquema criminoso descoberto durante a operação Dama de Espadas, ela contou ao juiz Ivanaldo Bezerra de que maneira eram feitos os desvios em operações financeiras.

Rita foi o principal alvo do trabalho desencadeado pelo Ministério Público Estadual, em agosto de 2015, e que revelou o uso de funcionários “fantasmas” no âmbito da ALRN.

Outro depoimento aguardado para esta segunda-feira, 10, é o de Gutson Johnson Reinaldo Giovany, filho de Rita das Mercês e denunciado na Operação Candeeiro, que descobriu irregularidades na autarquia estadual da qual ele ocupava o cargo de diretor.

Nos depoimentos iniciados na semana passada, já foram ouvidos Gustavo Vilarroel (filho), Mariana Morgana (neta), Maria Nilza (tia), Tangriany Reinaldo (nora), e Maria Lucien Reinaldo de Oliveira. Todos parentes de Rita das Mercês.

Terra volta a tremer no Oeste potiguar, confirma Laboratório de Sismologia da UFRN

Moradores de Campo Grande dizem ter sentido a terre tremer duas vezes 

POR G1/RN

Cidade de Campo Grande, no Oeste potiguar  — Foto: Diego Moicano

A terra voltou a tremer na região Oeste potiguar. Segundo o professor Joaquim Ferreira, do Laboratório de Sismologia da UFRN, resta calcular a magnitude e o epicentro dos abalos, provavelmente ocorridos em Campo Grande. Moradores da cidade dizem ter sentido o chão tremer pelo menos duas vezes neste domingo (9).

Campo Grande foi o epicentro de um tremor ocorrido na última quarta-feira (5). Na ocasião, o laboratório registrou uma magnitude de 2.5 na escala Richter, que é considerado leve.

Na região, tremores de terra foram registrados pela última vez nos anos de 1990 e 1991. Na época, com abalos de 2.1 e 2.3.

De acordo com o IBGE, Campo Grande possui cerca de 10 mil habitantes.